Google+ Followers

sábado, 16 de janeiro de 2016

Respondendo o comentário de um irmão descrente da Segurança Eterna dos Salvos


Por Douglas Pereira da Silva

Prezado Irmão em Cristo XXXXXX,

A paz de Deus!

Venho por meio deste post refutar, respeitosamente e com amor cristão, a sua opinião escrita no artigo “O que é cair da graça? ”.

Encontrei nela uma grande oportunidade de aprendizado, ainda que não tenha o habito de rechaçar tudo o que leio neste modesto espaço. Mas me chamou atenção, dado o seu esforço e cordialidade, além de prestigiar-me com sua ilustre visita e participação, por isso desejei ardentemente responder às suas objeções. Farei minhas colocações segmentando o seu comentário, destacando-o em negrito na cor azul.

Graça e paz a todos!

Saibam irmãos, que por Jesus pregar em uma região habitada por judeus em sua maioria, praticamente só falava com judeus. Isto não significa que seus ensinos foram dirigidos com exclusividade aos judeus. Exemplos: Mateus 10:22. A necessidade de perseverá ATÉ O FIM,é para todos os Filhos de Deus

Amém querido irmão! - sou grato pelo seu comentário e participação. 

Concordo com você neste sentido. Sem dúvida alguma a doutrina do nosso Senhor é para todos os que creem em seu nome, isto é, independem de raça, nacionalidade e etnia.

No entanto, o irmão está completamente equivocado ao utilizar como exemplo em sua objeção o verso 22 de Mateus 10. Este capítulo especificamente, é uma orientação com discurso Escatológico dada pelo nosso Senhor aos discípulos, dirigida - indubitavelmente - apenas para os judeus.

O seu equivoco consiste em “isolar” o verso 22 e ignorar todo o contexto do capitulo 10, para concluir erroneamente que “os que não perseveram até o fim perderá a salvação”

Entrementes, note com espirito de devoção e humildade, os versos 5, 6 e 7 do mesmo capítulo:

“Jesus enviou estes doze, e lhes ordenou, dizendo: Não ireis pelo caminho dos gentios, nem entrareis em cidade de samaritanos; Mas ide antes às ovelhas perdidas da casa de Israel; E, indo, pregai, dizendo: É chegado o reino dos céus. ” (Mateus 10.5-7)

Se a mensagem aqui era para todos os povos - como o irmão inferiu no seu comentário - por que, então, Jesus proibiu os discípulos de forma tão veemente, anunciar o evangelho a todos os que não eram judeus? E ainda deu ordens expressas para pregar o evangelho “às ovelhas perdidas da casa de Israel”, isto é, os judeus? O Senhor Jesus seria egoísta a tal ponto de não desejar que todos se salvassem através da Fé e do Arrependimento? Bem, eu creio que não!

O discurso do Senhor Jesus no capítulo 10 de Mateus, como havia dito anteriormente, é tema Escatológico – para concluir esta verdade, basta observar com diligencia e dedicação a ênfase do Senhor no versículo 7: “... É chegado o reino dos céus. ”; o mesmo tema é novamente proposto e elucidado com riqueza de detalhes no capitulo 24, no Sermão Profético:

“Aquele que perseverar até o fim, esse será salvo” (Mateus 24.13)

Com este dizer, o Senhor não esta falando de salvação eterna da alma, como você interpretou.
O relato catastrófico previsto pelo nosso Senhor, ocorrerá durante um período chamado de Grande Tribulação.

Portanto, aqui fala da salvação do corpo carnal, isto é, da integridade física dos judeus durante a perseguição das guerras que irão sofrer neste período em que a IGREJA já estará com o Senhor nos Céus, para então retornar após sete anos a fim de inaugurar o Glorioso Reino de mil anos, conforme previu o apostolo João em Apocalipse 20.

Basta ler o versículo 22 para entender isso:

“E, se aqueles dias não fossem abreviados, nenhuma carne se salvaria; mas por causa dos escolhidos serão abreviados aqueles dias”. (Mateus 24.22).

Idem para João 8:31-32. Efésios 2:14-16 quando criou o NOVO POVO DE DEUS, constituído dos convertidos a Jesus, tanto por nós, quanto por judeus convertidos e outros.

Todos estes versículos mencionados, estão completamente divorciados de nosso assunto em questão. Nenhum deles, é base para defender a heresia da "perca da salvação". Portanto faltou aqui, uma exegese saudável e coerente!

Em João 8.31-32, nada é dito com respeito à perspectiva da Soteriológia. Neste capítulo, o Senhor Jesus estava defendendo a sua missão e autoridade. Nos versos que você cita, o Senhor esclarece aos seus ouvintes que o verdadeiro discípulo permanece na Palavra de Deus. Somente assim pode penetrar mais profundamente nos ensinos de Jesus e receber o conhecimento da verdade que o libertará. Esta liberdade, os judeus entendiam apenas no aspecto político, e não espiritual.
No aspecto espiritual, todavia, sofremos ainda com a presença do pecado em nossos membros, em nosso corpo (Romanos 7.15-25), mas graças a Deus por Jesus o nosso Senhor, estamos completamente livres da condenação do pecado (Romanos 8).

Em Efésios 2.14-16, também nada é dito sobre perder a salvação. Paulo fala da separação entre o judeu e o gentio; mas Cristo introduz pela sua obra expiatória o conceito da nova criação, ou seja, os dois são o judeu e o gentio. O novo homem é o cristão!

Se já estivéssemos de posse da salvação como diz o irmão Douglas ao citar João 5:24, não haveria por que temermos o risco de sermos cortados como dito em João 15:2.

Prezamado irmão, em João 15.2, Jesus não está falando em hipóteses alguma, de perca da salvação!

Analisemos com cautela e piedade esta passagem:

"Eu sou a videira verdadeira, e meu Pai é o lavrador. Toda a vara em mim, que não dá fruto, a tira; e limpa toda aquela que dá fruto, para que dê mais fruto. Vós já estais limpos, pela palavra que vos tenho falado. Estai em mim, e eu em vós; como a vara de si mesma não pode dar fruto, se não estiver na videira, assim também vós, se não estiverdes em mim. Eu sou a videira, vós as varas; quem está em mim, e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer. Se alguém não estiver em mim, será lançado fora, como a vara, e secará; e os colhem e lançam no fogo, e ardem". (João 15.1-6).

Observe que Jesus está usando uma figura de linguagem em seu discurso para transmitir um importantíssimo ensino. Isto posto, Jesus não era uma videira, e nós, muito menos, varas, no sentido Literal. Portanto, a partícula “e os colhem e lançam no fogo, e ardem” - no final do versículo 6 - não pode ser o fogo Literal do Inferno posto que o Senhor está usando uma figura de linguagem!

O assunto aqui é dar ou não dar fruto e ser ou não um testemunho para Deus. Se o assunto fosse a salvação por frutos, então entraria em contradição com Efésios que diz: "Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. Não vem das obras, para que ninguém se glorie" (Efésios 2.8-9).

A ideia de varas no sentido de testemunho é também usada por Paulo em Romanos 11, quando também fala de Israel ter sido cortado como testemunho e do risco da cristandade ser cortada como testemunho de Deus neste mundo.

Ainda falando em Fogo, a maior prova contundente que o crente não perde a salvação é dada pelo apostolo Paulo, ao dizer que haverá cristãos no dia do tribunal de Cristo que não terão boas obras, bons frutos para apresentar ao Senhor. Todavia, estes serão salvos como que pelo Fogo:

“A obra de cada um se manifestará; na verdade o dia a declarará, porque pelo fogo será descoberta; e o fogo provará qual seja a obra de cada um. Se a obra que alguém edificou nessa parte permanecer, esse receberá galardão. Se a obra de alguém se queimar, sofrerá detrimento; mas o tal será salvo, todavia como pelo fogo”. (I Coríntios 3:13-15)

O que dizer do ensino da perseverança para se salvar visto em 1 Timóteo 4:16? Qual o risco que haveria em 1 Pedro 5:8? E Apocalipse 22:19? O que dizer de Romanos 13:11 que diz que a salvação AINDA É ESPERADA? 

Mais uma vez meu amado, em nenhum destes versos que o egrégio irmão mencionou está ensinando a perca da salvação. Suas conclusões - permita-me dizer - é fruto do desastre da falta de uma boa exegese e dedicação no estudo sistemático da Sagrada Escritura! Vejamos:

“Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina. Persevera nestas coisas; porque, fazendo isto, te salvarás, tanto a ti mesmo como aos que te ouvem”. (I Timóteo 4.16)

Pergunto: Você pode "te salvar" da condenação eterna?

O "te salvarás" não tem nada a ver com a salvação eterna, pois se tivesse nós seríamos nossos próprios salvadores. Aí Paulo não teria dito ao carcereiro "Crê no Senhor Jesus e serás salvo" (Atos 16.31), mas "Salve-se a si mesmo".

Qual é então o significado do verbo salvar aqui?

Respondo: Preservar-se de ser enganado e contaminado pelos mesmos falsos mestres dos quais ele fala no início do capítulo, que imporiam uma série de restrições aos seus seguidores. Ser "salvo" das "fábulas profanas e de velhas". A exortação para ele "ler, exortar e ensinar", meditar "estas coisas", ocupar-se nelas, ter cuidado da doutrina, tudo tem por objetivo mantê-lo longe do engano e do erro, ficar a salvo, ou "salvar-se" e "salvar" (manter "a salvo") também os que o escutarem.

De novo, o irmão isolou o versículo de todo o contexto para defender uma doutrina que sequer existe!

Para abreviarmos este artigo, a fim de não tornar a leitura chata, cansativa e enfastiante para nossos diletos leitores, vou omitir comentários dos versículos de I Pedro 5.8, Apocalipse 22.19 e Romanos 13.11. 

Pois mais uma vez, em nenhum destes versos que o nobre irmão menciona esta propondo ou sequer sugerindo que um salvo, lavado e remido no Senhor, perde a salvação em virtude do pecado!

Cuidado irmãos. O ensino de que já recebemos a salvação, é um dos grandes causadores da multidão de "desviados" que estão no mundo e pensam que estão ou foram salvos. Somente os que morreram estando em Cristo estão verdadeiramente salvos. A coisa é tão séria, que Jesus revela em Mateus 7:21-23 "Nem todo o que me diz Senhor, Senhor, entrará no reino dos céus".

Ora, é muito simples!

Estes que se diziam salvo e se desviaram definitivamente dos caminhos do Senhor, sem nunca voltar como o filho pródigo fez (Lucas 15.11-32), nunca foram salvos. Na verdade, tratava-se de falsos irmãos e cristãos nominais:

"Saíram de nós, mas não eram de nós; porque, se fossem de nós, ficariam conosco; mas isto é para que se manifestasse que não são todos de nós". (I João 2.19)

É tal como o discípulo Judas Iscariotes que andou com o Senhor durante o seu glorioso ministério terreno. No entanto, ele nunca foi um cristão de verdade, nunca foi salvo. O próprio Senhor o chama de diabo:

“Respondeu-lhe Jesus: Não vos escolhi a vós os doze? e um de vós é um diabo. E isto dizia ele de Judas Iscariotes, filho de Simão; porque este o havia de entregar, sendo um dos doze”. (João 6.70,71)

Judas desviou-se não foi porque pecou traindo a confiança do Senhor Jesus, mas foi para voltar para o lugar que lhe era próprio:

para tomar o lugar neste ministério e apostolado, do qual Judas se desviou para ir ao seu próprio lugar. (Atos 1.25)

Ora meu irmão, o crente não pode perder a salvação, e não sou eu quem diz isso. É o próprio Senhor quem diz:

“E dou-lhes a vida eterna, e nunca hão de perecer, e ninguém as arrebatará da minha mão. Meu Pai, que mas deu, é maior do que todos; e ninguém pode arrebatá-las da mão de meu Pai. Eu e o Pai somos um”. (João 10:28-30)

Se você diz que podemos pecar à vontade, já que salvação não se perde, então você nunca foi salvo, nunca foi crente de verdade, isto é, você nunca morreu para o pecado e nasceu uma nova criatura:

“Que diremos pois? Permaneceremos no pecado, para que a graça abunde? De modo nenhum. Nós, que estamos mortos para o pecado, como viveremos ainda nele?” (Romanos 6.1,2) 

A identidade do salvo, daquele que foi regenerado pelo Senhor e possui uma nova natureza, e, portanto, ama verdadeiramente ao Senhor, é fazer diligentemente a vontade de Deus:

"Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado de meu Pai, e eu o amarei, e me manifestarei a ele". (João 14:21)

O salvo pode cair em pecados, até mesmo nos mais hediondos. Todavia, fara de tudo para sair desta condição, clamando pela misericórdia e pelo divino perdão de Deus!

Portanto, concluo minha resposta com as sacras palavras do apostolo Paulo:

"Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação, ou a angústia, ou a perseguição, ou a fome, ou a nudez, ou o perigo, ou a espada? Como está escrito: Por amor de ti somos entregues à morte todo o dia; Somos reputados como ovelhas para o matadouro. Mas em todas estas coisas somos mais do que vencedores, por aquele que nos amou. Porque estou certo de que, nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as potestades, nem o presente, nem o porvir, Nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor". (Romanos 8:35-39)

Que Deus te abençoe!

Nenhum comentário:

Postar um comentário