Google+ Followers

domingo, 28 de setembro de 2014

Uma concisa analise Exegética da passagem de Hebreus 6.4-6



Por Douglas Pereira da Silva

Porque é impossível que os que já uma vez foram iluminados, e provaram o dom celestial, e se fizeram participantes do Espírito Santo, E provaram a boa palavra de Deus, e as virtudes do século futuro, E recaíram, sejam outra vez renovados para arrependimento; pois assim, quanto a eles, de novo crucificam o Filho de Deus, e o expõem ao vitupério. (Hebreus 6:4-6)

A passagem que agora ocupa a nossa atenção, têm sido indevidamente, usada e aplicada equivocadamente, para ensinar (ensinar?) que após o batismo, se o cristão cair em pecados de ordem sexual, este estará eternamente perdido e nunca mais poderá ser renovado para o arrependimento, isto é, o tal caiu da "GRAÇA".

No dia 4 de março de 2014, foi publicado o artigo "O que é cair da graça?" , todavia, muitos estão duvidosos em relação à explicação que foi dada neste assunto.

Muitos irmãos ainda insistem, que esta passagem está falando de alguém que se batizou na CCB, e depois cometeu pecados de fornicação ou adultério; e é explicita tal ideia, conforme demonstra um comentário endereçado a este autor:
“RENOVADOS” está falando que não tem mais como renovar para arrependimento, uma vez que já fez o concerto no santo batismo. Pois essas pessoas que fizeram o concerto e se contaminaram com o pecado mortal, estão colocando o filho de Deus ao vitupério. O filho de Deus morreu uma vez só na cruz, logo depois de perdoar os pecados dos que fizeram o concerto, como pode voltar a sujeira??????"  
O autor do comentário, comete um gravíssimo erro exegético ao dar esta explicação. 

Ele está praticando uma técnica de interpretação, que foi tenazmente condenada pelos reformadores do século XVI, Martinho Lutero e João Calvino, justamente, pelo fato da mesma abrir precedentes à toda sorte de imaginação da criatividade do interprete, gerando, obviamente, a formulação de heresias.

A esta técnica, dá-se o nome de EISEGESE, que significa atribuir, agregar e acrescentar significados aos textos Bíblicos, os quais o escritor sagrado, sequer tinha em mente tais explicações e significados!

Observem a EISEGESE que ele fez, pois em momento algum de Hebreus 6.4-6, o autor da epístola fala de "concerto pelo batismo" e "pecado mortal", tal como sugere o comentarista.

Ele ainda prossegue na sua EISEGESE, transcrevendo uma passagem Bíblica, completamente fora do contexto das Escrituras Sagradas, atribuindo cada vez mais, significados e explicações conforme a criatividade de sua mente, para concordar com a interpretação e o costume de sua religião, cujo o autor original da epístola, jamais pretendia dizer:
Porquanto se, depois de terem escapado das corrupções do mundo, pelo conhecimento do Senhor e Salvador Jesus Cristo, forem outra vez envolvidos nelas e vencidos, tornou-se-lhes o último estado pior do que o primeiro.Porque melhor lhes fora não conhecerem o caminho da justiça, do que, conhecendo-o, desviarem-se do santo mandamento que lhes fora dado;Deste modo sobreveio-lhes o que por um verdadeiro provérbio se diz: O cão voltou ao seu próprio vômito, e a porca lavada ao espojadouro de lama.
(2 Pedro 2:20-22)
“O CÃO VOLTOU AO SEU PRÓPRIO VÔMITO, E A PORCA LAVADA AO ESPOJADOURO DE LAMA” 
Diletos irmãos, não vou me ater na explicação exegética desta passagem que ele mencionou em seu equivocado comentário, pois já foi realizada no artigo "O cão e a porca" publicado no dia 21 de julho de 2014 por este modesto blogueiro; caso desejarem entender a passagem em apreço - II Pedro 2.20-22 - basta clicar no título.

O autor do comentário, tentando explicar e justificar a heresia da CCB, é enfático e insistente, na teimosia em cometer o devaneio de fazer EISEGESE com o texto sacro:
"Então meu querido irmão, o texto de Hebreus 6 não está se referindo a não convertidos, e sim os que foram batizados, esses não tem como renovar para arrependimento. Esse texto criado por algum pastor de carne e osso está totalmente distorcido e fora de contexto".
Aonde em Hebreus 6.4-6 está falando de crentes que foram batizados nas águas, e cometeram adultério e fornicação logo depois? De onde ele tirou no texto sagrado, esta interpretação? 

Este blogueiro já pesquisou esta passagem em mais de 6 versões e traduções diferentes das Escrituras Sagradas, e não encontrou esta informação! 
Tenho a impressão de que o comentarista deve usar uma versão Bíblica completamente diferente! 

Será uma nova tradução das Escrituras Sagradas?

O que será então, que ele pretendia dizer no comentário, em sua última frase quando falou: 
"Esse texto criado por algum pastor de carne e osso está totalmente distorcido e fora de contexto".
Bem, que o autor de Hebreus 6.4-6 era de carne e osso isso é verdade, pois afinal, embora estivesse inspirado por Deus para escrever a passagem com sua pena, ele não deixou de ser um mero comedor de arroz e feijão, isto é, um ser humano como qualquer um de nós! 

Agora, dizer que o mesmo está distorcido e fora de contexto... Isso é GRAVÍSSIMO!

Sutilmente, o comentarista esta relativizando a palavra de Deus, afirmando que a mesma não é verdadeira, isto é, que há acréscimos humanos e que, portanto, pode haver alguma passagem que não foi inspirada por Deus!

(Sinceramente, nem vou entrar neste mérito!).

Parece que o comentarista, é um exímio especialista na arte de fazer EISEGESE:
"A palavra de Deus não pode ser mentirosa irmão, QUEM É NASCIDO DE DEUS NÃO PECA, é ai que o irmão precisa entender. Está escrito mesmo na palavra, se alguém confessar que não tem pecado, se torna um mentiroso perante Deus. Esse pecado que o Salvador perdoa, que nos purifica, não é o de blasfêmia contra o Espírito Santo. Portanto, não compare todos pecados no mesmo peso. A palavra está lúcida, “HÁ PECADO QUE É PARA MORTE E HÁ PECADO QUE NÃO É PARA MORTE”. Por isso que está escrito dentro da palavra de Deus". [...] Sabemos que todo aquele que é nascido de Deus não peca; mas o que de Deus é gerado conserva-se a si mesmo, e o maligno não lhe toca”. (1 João 5:18) Logo, quem é verdadeiramente nascido de Deus, não peca o pecado mortal".
Com relação a estes conceitos que o comentarista pontuou, há analises exegéticas destas passagens, nos artigos "Quem é nascido de Deus não Peca?" e "Afinal, o que é pecado de morte?" publicados também, neste blog - basta clicar nos títulos e conferir.

A concepção deste “pecado mortal” imperdoável, atribuído a pratica de adultério e fornicação, foi uma heresia que surgiu em 198 d. C., com Montano. Atualmente, a ICAR - Igreja Católica Apostólica Romana - segue apenas uma parcela desta heresia; pois a Hamartiologia Católica Romana, classifica os pecados como: Veniais, e Mortais!

É perceptível que o comentarista sustenta a velha e conhecidíssima heresia ccbeiana, onde ensina que o "crente não peca após o batismo", surgida na CCB na década de 1950.

Foi o ancião Vitório - muito antigo e um dos pioneiros da CCB - que formou esta errônea doutrina; e por que? Porque ele só tinha a Versão ARC - Almeida Revista Corrigida - da Bíblia Sagrada, cometendo o erro de empregar o verso de forma isolada, desconsiderando completamente todo o contexto da epístola de João.
  
Bem, vamos então fazer a exegese da passagem aludida:

O texto em epígrafe, está falando do pecado de APOSTASIA, e não de pecados de ordem moral!

Todos os queridos irmãos que acompanham as postagens aqui no Teologando, já devem estar "carecas de saber" - assim presumi este autor - que o Novo Testamento foi escrito originalmente no idioma GREGO! 

É justamente neste importante detalhe que muitos, por não terem o zelo de examinar as Escrituras, tropeçam.
O significado da palavra CAIR ou RECAÍRAM - dependendo da versão Bíblica utilizada podem aparecer um destes dois verbos - não é o mesmo que pecar!

O significado da palavra "cair" ou "recaíram" nesta passagem, é APOSTASIA, completa, definitiva e deliberada. Para provarmos este irrefutável e inegável fato, vamos ao texto Original na versão Grega:
4 - αδυνατον γαρ τους απαξ φωτισθεντας γευσαμενους τε της δωρεας της επουρανιου και μετοχους γενηθεντας πνευματος αγιου 5 - και καλον γευσαμενους θεου ρημα δυναμεις τε μελλοντος αιωνος 6 - και παραπεσοντας παλιν ανακαινιζειν εις μετανοιαν ανασταυρουντας εαυτοις τον υιον του θεου και παραδειγματιζοντας (προς Εβραίους 6.4-6)
Irmãos, observaram na passagem original, precisamente no versículo 6, a palavra destacada em vermelho? 

Vou destacar ela abaixo, e discorrer detalhadamente sobre o seu significado:
παραπεσοντας

Transliterando para a nossa Língua Portuguesa, temos: parapesountás.

Este verbo, no Grego, está no aoristo ativo apontando para uma ação simples. 

A Tradução correta é: Arremessar-se para Fora; e não CAIR ou RECAÍRAM, conforme está escrito em nossas traduções para a Língua Portuguesa.

Esse verbo é encontrado apenas nesse versículo em todo o Novo Testamento, cuja raiz significa “cair para o lado”, dando a entender o desvio de um padrão ou caminho certo.

O professor Wanderley Nunes, comenta muito bem este fato, ao dizer:
O cerne da questão se encontra na impossibilidade da renovação da fé daqueles que se desviaram do padrão ou caminho certo: “É impossível [...] serem renovados para uma mudança de mentalidade”; para em seguida notar-se claramente a conexão com o vocábulo “caíram” - transmitindo a ideia de uma ação deliberada - “estão crucificando para si mesmos o filho de Deus e o expondo a ignomínia”, pois quando o texto grego axiomaticamente declara: “recrucificam” a Jesus e o expõe à vergonha, está, portanto, apontando para a ideia de alguém que abandonou a fé, e fez-se contrário a Cristo, a ponto de tornar-se avesso a sua pessoa e doutrina, de modo similar aos que rejeitaram ao Senhor, o prenderam, aviltaram de todas as formas, inclusive despindo-o publicamente, e por fim o crucificaram (Mateus 27.27-31, Lucas 23.11 e João 19.2,3). Parece muito patente que o propósito do escritor de Hebreus é falar do perigo da apostasia. É pertinente observar que em nenhum momento do texto ele se referiu a alguém que experimentou a salvação e depois a perdeu, e sim aqueles que experimentaram uma iluminação e algumas das benesses divinas e depois apostataram. Outro fator importante é quando está sendo finalizada a perícope, há uma analogia muito esclarecedora no que concerne a mensagem que se deseja transmitir, pois no versículo sete é dito que a terra que, beneficiada pela chuva, responde positivamente com bons frutos, receberá indubitavelmente a bem aventurança da parte de Deus. Tal analogia lembra as palavras ditas por Jesus: “Toda árvore que não produz bom fruto é cortada e lançada no fogo, assim, pois, pelos seus frutos os conhecereis” (Mateus 7.19,20). Isso aclara a premissa de que só se pode dar fruto segundo a sua espécie “[...] não se colhem figos de espinheiro, nem dos abrolhos se vindimam uvas.” (Lucas 6.44). Seguindo tal pensamento, conclui-se que só uma terra boa dará bons frutos. De modo lógico, se chegará à conclusão que só mesmo uma terra má produzirá espinhos e abrolhos, sendo isso uma simples manifestação da sua natureza, cujo destino final segundo a afirmação de Hebreus, é ser queimada.
Ele continua em seu artigo - "Comentário hermenêutico de Hebreus 6.4-8 - A salvação pode ser perdida?" - dizendo:
"Se o texto estivesse falando, que mesmo depois de se conhecer o Evangelho, ter chegado a entender o plano salvífico, desfrutado das bênçãos da comunhão cristã, e depois por algum motivo cometer pecado ou “desviar-se” se perderia a salvação, seria aberto um precedente de consequências no mínimo desastrosas. Isso implicaria na dedução lógica, que após alguém ter conhecido a verdade e depois cometer pecado ou tê-la abandonado, não teria mais a possibilidade de arrependimento. Um dos maiores exemplos neotestamentário da possibilidade de arrependimento pode ser observado na figura do apóstolo Pedro. Negou não só ser discípulo de Jesus, como até mesmo conhecê-lo. (Mateus 26.69-75) - Vale salientar que todos os outros discípulos também abandonaram o mestre - Pedro, porém, foi sensível à voz de Deus, quando do convite ao retorno à comunhão (Marcos 16.7), confessando diante dos companheiros sua fé e amor ao Senhor (João 21.15-17). Na epístola a Timóteo, Paulo fala claramente da possibilidade daquele Cristão que teve seus sentidos embotados pelo engano do pecado, e “desviou-se” da verdade, poder, outrossim, se arrepender (II Timóteo 2.25,26) retornando à verdade apostólica. Na sua homilia aos Coríntios, Paulo lembra uma forte exortação que lhes dirigira, todavia, explicita que tal atitude trouxe arrependimento da parte de Deus conduzindo-os à vida (II Coríntios 7.9,10). Outro exemplo encontra-se na repreensão feita à Laodicéia: “Eu repreendo e disciplino a quantos amo. Sê, pois, Zeloso e arrepende-te” (Apocalipse 3.19). Muito embora esse trecho, sobretudo o versículo 20, seja usado comumente para o evangelismo de descrentes, sabe-se ser essa aplicação deficitária e equivocada, pois a palavra é dirigida à Igreja de Laodicéia, uma das sete Igrejas da Ásia (Apocalipse 1.4). A chamada ao arrependimento é feita “a crentes desviados” da fé genuína, a despeito de serem Cristãos professos. Logo se pode observar a interpretação dada ao texto de Hebreus 6, abrindo precedente para a possibilidade da perda da salvação para aquele uma vez salvo, ser incoerente com a doutrina bíblica da salvação, pois se assim fora, não haveria chance de arrependimento para nenhum Cristão que de algum modo tenha se afastado por algum tempo da sua fé, sendo vedado os céus a todos os servos de Deus em todos os tempos que fracassaram. Estariam excluídos dessa relação: Jonas, Davi, Moisés, Elias, Pedro... E uma lista infindável de personagens que as sagradas letras afirmam terem sido homens dos quais o mundo não era digno (Hebreus 11.38). A salvação bíblica, todavia, é gratuita (Efésios 2.8) e irrevogável (João 10.27,28) como todo dom Divino (Romanos 11.29)".
E concluí:
"Hebreus 6.4-6 é um trecho que não pode ser tomado como uma interpretação de que o Cristão está sujeito a perder a salvação após tê-la recebido se vier a cometer algum pecado de quaisquer natureza, pois tal proposição traz consigo sérias implicações de cunho hermenêutico e exegético como: (a) Se alguém servir a Jesus e posteriormente “desviar-se” da fé e pecar, não haverá possibilidade de arrependimento e estará invariável e eternamente perdido. (b) Por esse prisma, a salvação deixa de ser um dom gratuito para tornar-se uma conquista meritória, cuja responsabilidade por sua manutenção é total e inexoravelmente humana, consequentemente, passível de ser perdida. (c) Seguindo essa linha interpretativa, o crente fraco não poderá encontrar ensejo de salvação, já que vez por outra fracassa na fé, não havendo assim chance de uma suposta comunhão que o conduza ao nível de fé desejável".

Destarte, Hebreus 6.4-6 não está falando de crente que caiu em pecado de natureza sexual ou seja lá de qual for; mas esta falando de παραπεσοντας, isto é, de APOSTASIA final, definitiva e deliberada.

Se a passagem estivesse aludindo à crentes que cometeram pecados após o batismo, seja adultério ou fornicação, no lugar da palavra παραπεσοντας - que na tradução para a língua portuguesa significa "arremessar-se para fora" - deveria aparecer os seguintes verbos e sentenças, do idioma grego:

a) Μοιχεία: A tradução deste verbo para a Língua Portuguesa é "adulteraram", ou "adulterar";

b) πεπορνευμένος: A tradução deste verbo para a Língua Portuguesa é "Fornicaram";

c) πορνεία: A tradução deste verbo para a Língua Portuguesa é "Fornicação";

d) αμαρτίαA tradução deste verbo para a Língua Portuguesa é "Pecado";

e) αμαρτήσει: A tradução deste verbo para a Língua Portuguesa é "Pecaram";

f) Έπεσε σε σεξουαλική αμαρτία: A tradução desta frase para a Língua Portuguesa é "Caíram em pecado sexual";

g) Ασκείται σεξουαλική αμαρτία μετά το βάπτισμα στο νερό: A tradução desta frase para a Língua Portuguesa é "Praticaram o pecado sexual após o batismo nas águas".

A interpretação de que se trata - indubitavelmente - da APOSTASIA, fica ainda muito mais evidente, quando verificamos os versos na edição NTLH - Nova Tradução na Linguagem de Hoje. Nesta versão Bíblica, o tradutor emprega o verbo "abandonar" ao invés de "cair" ou "recaíram". Observem:
"Como é que as pessoas que abandonaram a fé podem se arrepender de novo? Elas já estavam na luz de Deus. Já haviam experimentado o dom do céu e recebido a sua parte do Espírito Santo. Já haviam conhecido por experiência que a palavra de Deus é boa e tinham experimentado os poderes do mundo que há de vir. Mas depois abandonaram a fé. É impossível levar essas pessoas a se arrependerem de novo, pois estão crucificando outra vez o Filho de Deus e zombando publicamente dele". (Hebreus 6.4-6, NTLH)

Na edição BAV - Bíblia Ave Maria - versão utilizada pelo publico católico, é ainda, muito mais claro do que a luz do dia. O tradutor desta versão, ao invés de empregar os verbos "abandonar", "cair" ou "recaíram", ele coloca a partícula "caíram na apostasia":
"Porque aqueles que foram uma vez iluminados saborearam o dom celestial, participaram dos dons do Espírito Santo, experimentaram a doçura da palavra de Deus e as maravilhas do mundo vindouro e, apesar disso, caíram na apostasia, é impossível que se renovem outra vez para a penitência, visto que, da sua parte, crucificaram de novo o Filho de Deus e publicamente o escarneceram". (Hebreus 6.4-6, BAV)
De um modo geral e mais amplo, o apostata é aquele que abandona de forma definitiva a Fé cristã (I João 2.19), portanto, é alguém que não têm a menor preocupação em buscar a misericórdia de Deus depois de ter pecado, muito pelo contrário! 

O apostata é alguém que abandona e rejeita conscientemente a Fé cristã, de forma plena e definitiva para nunca mais voltar, e decide viver um estilo de vida pecaminoso e não se importa com Deus, não se preocupa com a sua salvação, pois sua mente já foi cauterizada, sua consciência já foi morta pelo pecado, ou seja, não é o caso daquele crente que por causa da fraqueza de sua carne, cometeu algum tipo de pecado, e agora está triste, angustiado, envergonhado, preocupado com a sua salvação, e que busca clamar a Deus por misericórdia e perdão todos os dias.


Em seu comentário sobre o livro de Hebreus, publicado em 1549, o reformador francês João Calvino, observa tal fato:
"Ainda que isso pareça duro, não há razão para lançar sobre Deus a culpa de crueldade quando alguém sofre tal penalidade simplesmente em virtude de sua rebelião. Esse fato não é inconsistente com as demais passagens bíblicas onde a misericórdia de Deus é oferecida aos pecadores tão logo suspirem por ela (Ezequiel 18.27). [...] Todos aqueles que apostatam vêm para este clímax: ou são atingidos por profunda insensibilidade e ausência de temor, ou amaldiçoam a Deus, que é o seu Juiz, por não conseguirem escapar Dele." 
Não é o caso também daqueles filhos pródigos que se apostataram da fé parcialmente, isto é, não de forma definitiva, completa e deliberada; e que agora desejam voltar correndo para os braços do Pai - tal como aconteceu na parábola contada por Jesus em Lucas 15.11-32.

Tal passagem se encaixa perfeitamente na vida de Judas Iscariotes, que fazia milagres, expulsava demônios, experimentou os poderes do mundo vindouro, andou pessoalmente com Jesus na terra ouvindo os seus ensinamentos, foi participante do Espírito Santo, e, todavia, nunca foi crente de verdade, nunca nasceu de novo pois o seu interesse não era servir a Deus, e muito menos obter o perdão dos seus pecados; o interesse de Judas consistia em sua nítida e perceptível ganancia pelo dinheiro (João 12.4-6; Mateus 26.14-16). Tanto que no final das contas, Judas se desviou voltando para o seu PRÓPRIO LUGAR (Atos 1.25).


Para concluirmos o nosso estudo, finalmente, apresento mais uma evidencia de que a passagem não está falando de crentes batizados que caíram em pecados de fornicação e adultério:


Fazendo uma analise gramatical nos versos aludidos, observa-se que o autor emprega o verbo na 3° pessoa do plural:

"os que já uma vez foram iluminados, e provaram... e se fizeram (6:4)... e provaram (6:5)... e recaíram... crucificam... expõe (6:6).
E depois, volta a falar com os crentes ao empregar o verbo na 2° pessoa do plural, no versículo 9:
"mas vós" (6:9), "da vossa obra", "mostrastes", "servistes", "servis" (6:10).
Em momento algum, nos versículos de 4 à 6, ele emprega os verbos na 2° pessoa do plural; pois se não, o autor da epístola teria dito:
"vós que uma vez fostes iluminados, e provastes, e vos fizestes, e recaístes, crucificais, expondes".
Perceberam queridos leitores, este detalhe de suma relevância para a correta interpretação?

Portanto, Hebreus 6.4-6 não esta falando de crente que se batizou nas águas e depois pecou posteriormente por causa da fraqueza de sua carne!

Ufa... [risos], será que a presente dissertação exegética ficou claro para o entendimento - de uma vez por todas - deste assunto?

Que Deus nos abençoe e ilumine nossas mentes e corações, para aprendermos cada vez mais os ensinos da Bíblia Sagrada!


10 comentários:

  1. irmão Douglas , me veio em mente 1 João cap.2
    1 Meus filhinhos, escrevo-lhes estas coisas para que vocês não pequem. Se, porém, alguém pecar, temos um intercessor(ADVOGADO) junto ao Pai, Jesus Cristo, o Justo.
    2 Ele é a propiciação pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos, mas também pelos pecados de todo o mundo.

    Um trecho que nos dá esperança.... para tantas almas abatidas , arrependidas do fundo do coração , mas , desanimadas achando que não têm mais jeito e já estão condenadas ao inferno !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então querida irmã Sonia,

      Só estes versos que a irmã citou, já é mais do que suficiente para refutar a heresia do "cair da graça" ou do "pecado mortal".

      Creio que já devo ter esgotado a explicação deste assunto aqui no blog, irmã Sonia!

      A irmã conseguiu compreender que a passagem de Hebreus 6.4-6 não esta falando de crentes que cometeram pecados de ordem moral? Mas que está falando de apostatas?

      Enfim... Infelizmente o conceito de "queda da GRAÇA" está intimamente enraizada na cabeça de boa parte de nossa irmandade. Ainda que expliquemos Biblicamente, provando através da Hermenêutica, do Grego e da Exegese, muitos preferem acreditar nas pregações e "revelamentos" que ouvem dos púlpitos da nossa denominação!

      Quem nos dera se a cara irmandade, se despertasse e buscasse com zelo e afetuoso apreço, examinar as Escrituras Sagradas!

      Ainda oro para que Deus realize um avivamento em nosso meio, neste sentido. Por certo não teríamos tantos irmãos sofrendo, pelo engano destas doutrinas heréticas!

      Um grande abraço minha querida irmã Sonia, com a paz de Deus!

      Excluir
  2. Irmão, uma pergunta delicada. Se uma pessoa crê que precisa fazer algo para possuir a salvação, ou que pode perdê-la (o que culmina na mesma coisa), ela tem a salvação ou está perdida tendo este tipo de pensamento?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pedindo desculpas ao Douglas ao responder esta pergunta, na minha opinião, a salvação é dada por Cristo, independente daquilo que fizermos.

      Se alguém acredita que precisa fazer algo para ser salvo, e Cristo quer salvá-lo, Cristo vai salvá-lo e se quiser Cristo revelará a verdade à pessoa.

      Para mim, tudo se resume nisto:

      "Porque o amor é de Deus; e qualquer que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor." 1 João 4:7-8

      Ama ao próximo? É nascido de Deus, mesmo que (ainda) não conheça a Deus.

      Conhece a Bíblia inteira, tem doutorado em Teologia Quântica e Hermenêutica Espacial (rsrs), mas não ama e tem prazer diabólico em mandar pessoas ao inferno: Nunca conheceu a Deus e nem mesmo é nascido de Deus.

      Daí fecha com Mateus 25:31-46, aonde haverá muitas surpresas...

      Excluir
    2. Sim "HP", concordo plenamente com você, a Salvação é dada única e exclusivamente por JESUS. É só uma questão de teorizar. Eu fiz essa pergunta pois conforme lemos em Lucas 6:45 "O homem bom, do bom tesouro do seu coração tira o bem, e o homem mau, do mau tesouro do seu coração tira o mal, porque da abundância do seu coração fala a boca." --- apesar de estar em outro contesto, mas é proveitoso para a tema da minha pergunta --- se a pessoa sente e crê que precisa realizar algo, penso eu que não atribui única e exclusivamente ao nosso Senhor Jesus a sua salvação, conforme já vi, algumas dizem que a Salvação é um presente de Deus, a Graça (verdade), porém nós temos que tomar posse desse Presente e continuarmos com ele. Por isso que as vezes fico na dúvida com relação a esse tipo de pensamento, que nada mais está refletindo o seu coração (que por vezes não reflete uma inteira confiança em Jesus).
      Outro ponto que achei fantástica na sua resposta e quero que o irmão concorde comigo é que com toda a certeza Jesus irá revelar a verdade sobre a Sua Salvação, que não vem das obras do pecador, mas sim da Sua Graça.
      Obrigado pela a atenção!

      Excluir
    3. Renan,

      Se em Efésios 2:8 nos diz que a "pela graça sois salvos, por meio da FE; e isto não vem de vós, é dom de Deus" e Hebreus 12:2 diz que Jesus é o "autor e consumador da fé", eu creio sim, que a Graça é um presente, mas a condição de "tomar posse" e continuarmos com ele, também nos é dada e assegurada por Cristo.

      Eu creio que absolutamente TUDO é feito por Cristo. Desde o plano da salvação, quanto a conversão, quanto ao arrependimento, quanto à regeneração, quanto a persistência, até a consumação na Glória.

      Afinal Ele é o Autor e Ele é Aquele que Consuma, termina, conclui, concretiza, encerra a nossa Fé.

      O plano começa com Ele e termina com Ele. Ele é o Alfa e o Omega. Princípio e Fim.
      "E Ele é antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por Ele." Colossenses 1:17.

      Mas no mesmo momento que Tudo Ele faz, há em nós a responsabilidade, que Cristo não nos exime.
      Afinal, Ele nos mostra a verdade, nos constrange com amor, nos ensina com carinho, enfim nos enche de oportunidades de conhecê-lo. Mas ainda assim há aqueles que preferem a maldade, o ódio, a injustiça.

      Esses mesmo que falem do Nome de Cristo, nunca conheceram a Cristo.

      "Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas?
      E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade."

      Mateus 7:22-23

      Um grande abraço!

      Excluir
    4. Perfeita a sua colocação. Quem dera se todos os cristão tivessem esse entendimento.

      Excluir
    5. Excelente resposta irmão HP. Deus te abençoe!

      Excluir
    6. Toda a Glória a Deus sempre!

      Renan e ir Sônia, recebam um sincero abraço de vosso irmão menor, no maravilhoso Jesus Cristo!

      Deus abençoe a todos nós!

      Excluir
  3. Ah! Desculpe por alguns erros gramáticos acima! :)

    ResponderExcluir