Google+ Followers

terça-feira, 17 de novembro de 2015

O que é Vaidade?


Por Onicio Fabri


Em algumas denominações evangélicas proíbe-se o uso de Joia e “Maquiagem”.
Esses itens são caracterizados como vaidade.
Mas, o que diz A Palavra de Deus?

Geralmente se usa a palavra vaidade para justificar incorretamente o uso de joias e maquiagem. No entanto, a palavra vaidade é bem mais abrangente do que imaginamos.

Vejamos o que diz em Eclesiastes 1:2 – “Vaidades de vaidades, diz o pregador, vaidades de vaidades! Tudo é vaidade”.

A roupa nova, o carro zero, o terno da moda, a gravata importada, o anel de formatura, a aliança de noivado, a aliança de casamento, o relógio de ouro, (ou banhado a ouro), bijuteria, o prendedor de gravatas, prendedores de cabelo, as abotoaduras, o implante dentário, a loção pós-barba, o perfume, as joias! Tudo isso pode ser enquadrado como vaidade!

Quando lemos na Bíblia a palavra “Vaidade” ela não deve ser associada a apenas ao uso de um brinco modesto, um colar discreto, ou uma maquiagem moderada por parte das irmãs. Há uma hipocrisia muito grande por parte daqueles que elaboram os ensinamentos proibindo a vaidade, porque, no momento que estão ali concentrados, criando fardos pesados, eles mesmos sem perceberem estão usando algum tipo de adereços que compõe o cenário da vaidade.

É muito comum ouvirmos em pregações que o crente precisa ser diferente do povo do mundo, e o jugo mais pesado recai sempre sobre as irmãs, que geralmente nas circulares são chamadas de: “santas do Senhor”, elas não podem sequer cortar as pontinhas dos cabelos, não podem depilar as sobrancelhas, não podem usar uma maquiagem moderada, são proibidas de usar uma joia discreta, e tantos versículos bíblicos usados “sem contexto” com interpretações equivocadas para se proibir.

Mas, e os irmãos? Porque para eles o jugo é mais leve? Porque, para eles praticamente não há nenhuma proibição? Eles não precisam ser diferentes do povo do mundo? Se colocarmos um crente de terno ao lado de um executivo, não há diferença. O homem crente corta a barba, o homem não crente também corta. O homem crente corta o cabelo, o homem não crente também corta. O homem crente usa terno e gravata, o homem não crente também usa. Praticamente impossível diferenciar um homem crente do não crente...

Interessante! Nunca vi ler nas igrejas uma circular chamando os irmãos de “Santos do Senhor”.

O uso de joias vem desde a antiguidade, e não há efetivamente relatos de proibição, certo é que o povo Judeu era um povo especial para Deus, quando eles foram retirados do Egito por Moisés, com destino a Israel, as mulheres, as filhas e os filhos usavam pendentes de ouro nas orelhas, (que podemos chamar de brincos de ouro), e foi justamente dessa grande quantidade de ouro que Arão fundiu o bezerro de ouro, o qual foi idolatrado pelo povo. (Êxodo 32.2-4).

Outra passagem bíblica, agora do Novo Testamento, que alguns utilizam para proibir o uso de joias, está em I Pedro 3.3. Vejamos o que diz I Pedro 3.3-5: “O enfeite delas não seja o exterior, no frisado dos cabelos, no uso de joias de ouro, na compostura dos vestidos; Mas o homem encoberto no coração; no incorruptível traje de um espírito manso e quieto, que é precioso diante de Deus. Porque assim se adornavam também antigamente as santas mulheres que esperavam em Deus, e estavam sujeitas aos seus próprios maridos”;

De maneira nenhuma esta passagem está proibindo o uso de joias. Se esta passagem estivesse proibindo o uso de joias, estaria também proibindo o uso de vestidos, sapatos, e bolsas caras e bonitas, o contexto desta passagem bíblica está tratando do comportamento das esposas e dos maridos cristãos. O versículo 1 diz que, pelo procedimento da esposa cristã, o marido não cristão acaba se convertendo ao evangelho. O apóstolo Pedro continua ensinando nos versículos adiante que o maior enfeite da esposa (para ela conquistar o marido) deve ser o interior, o caráter cristão, o amor.

Portanto, o apóstolo Pedro deixa claro nas entre linhas que o mais importante é a beleza interior e não a exterior, mas em momento algum ele está proibindo o uso de joias. Ele apenas enfatiza que o caráter cristão é baseado no amor, na mansidão, na honradez, e acima de tudo no comprometimento. Devemos nos preocupar mais com a nossa beleza interior do que com a nossa beleza exterior, e isto vale para as mulheres e para os homens.

“Estai, pois, firmes na liberdade com que Cristo nos libertou, e não torneis a colocar-vos debaixo do jugo da servidão” (Gálatas 5:1).

Deus nunca proibiu o uso de joias. No Velho Testamento, o servo de Abraão, quando foi procurar uma esposa para Isaque e encontrou Rebeca, deu a ela joias de ouro e de prata (pendentes, pulseiras), e em nenhum momento foi criticado por Deus (conforme Gênesis Capítulo 24, especialmente os versículos 22, 30, 47 e 53).

Cânticos 1.10 - “Formosas são as tuas faces entre os teus enfeites, o teu pescoço com os colares”, e no contexto do capitulo não há nenhuma critica ou proibição quanto ao uso de joias.

Se, joias de ouros e pedras preciosas fossem objetos pecaminosos, no céu jamais poderia ter ouro, pedras preciosas, coroas, conforme está detalhado no livro de Apocalipse. Portanto, de acordo com a palavra de Deus interpretada de uma forma contextualizada, o simples uso de joias não é pecado...

A Bíblia não condena ou proíbe o simples uso de joias e maquiagens, nós cristãos, temos liberdade em Cristo Jesus (Colossenses 2.20-21; Gálatas 5.1). Portanto, as mulheres cristãs, ao se embelezarem, devem se lembrar dos seguintes princípios: decência, bom senso, honestidade, modéstia, discrição e pudor.

Em nenhuma passagem do Velho Testamento Deus condena ou proíbe o uso de joias... Ai pode aparecer alguém e dizer: “Ah, mas nós estamos na graça, no Novo Testamento” - sim, e eu concordo! Mas, então como explicar o nosso primeiro ponto de doutrina relatado na contra capa do nosso hinário que diz: “Nós cremos na inteira bíblia sagrada e aceitamo-la como a infalível Palavra de Deus inspirada pelo Espirito Santo?”.

A Palavra de Deus é a nossa única guia de fé e conduta e a Ela nada se pode acrescentar ou diminuir, é também o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê.

Quem despreza o Velho Testamento, não crê na inteira bíblia, e quem não crê na inteira bíblia está em desobediência ao nosso primeiro ponto de doutrina.
 

8 comentários:

  1. A pior vaidade é a espiritual!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo Anônimo!

      Sua opinião remeteu-me à passagem de Lucas 18.9-14 – “O Fariseu e o Publicano”.
      ...

      Vaidoso e completamente obcecado pelas suas virtudes, o fariseu exaltava suas qualidades espirituais durante a oração, comparando-se com as misérias do pecador e indigno, Publicano. No final, tanta pompa e orgulho “espiritual” não lhe serviram para nada, e desce para casa com a alma vazia, injustificado e sem a benção de Deus.

      Ao passo que o Publicano, tamanha era a sua vergonha e indignidade, não ousava chegar perto e não tinha forças de levantar a cabeça aos céus por causa de seus pecados e transgressões! Conduzido pela dor da culpa e do arrependimento, tendo a alma contrita e esmagada pelas circunstancias e os deslizes da vida, batia com as mãos no peito dizendo – “Ó Deus, tenha misericórdia de mim que sou pecador”.

      Jesus termina a parábola dizendo que o Publicado desceu para sua casa justificado por Deus, e concluí: “todo o que se exalta, será humilhado; mas o que se humilha, será exaltado”.

      Obrigado pela participação nobre anônimo,

      Um ósculo com carinho, na santa paz de Deus!

      Excluir
  2. Se analisarmos um pouco os tempos passados, veremos o quão fácil era separar o pecado da santidade. E isto não só no meio do povo cristão, mas de um modo geral as pessoas prezavam por guardar os valores humanos. As moças de bem eram as virgens, que aguardavam o desfrutar de um verdadeiro amor. As mulheres de bem, respeitavam os marido, andavam de forma mais discreta e as enfeitadas e maquiadas eram as "sirigaitas", um termo muito usado como adjetivo de uma mulher que não ligava muito com os bons costumes. Porém, o tempo foi passando, o pecado e a corrupção moral crescendo e o povo deixando de lado a guia do Espírito Santo, que a santidade começou a dar lugar a estas coisas. Tudo mudou. Hoje já é quase impossível discernir o bem e o mal. Não digo que as mulheres que usam jóias, perderam os bens costumes ou não tem valor. Não é isso. Mas o sistema mundano, liderado pelo Anticristo conseguiu mudar muita coisa. Tenhamos cuidado pois as más conversações corrompem os bons costumes.
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sou tão velho, mas já vi dentro da denominação que frequento "virgens" apenas de hímen não rompido. Como também já vi "Mulheres de bem", que andavam de forma discreta, mas enviavam sedução pelo olhar.

      O problema é achar que santidade é algo exterior. O Anticristo desde o princípio atuou, aliás, é obra do Anticristo o ensino que santidade é algo exterior, feito com vestes ou costumes.
      Digo isto pois CRISTO nunca ensinou isso.

      Cristo ensinou que Santidade é ter consciência que o ÚNICO caminho é o Amor, personificado Nele próprio.

      Amor que atua na consciência da gratidão, do perdão, do bom trato, na firmeza da fé, na misericórdia, na verdade, na justiça.

      Amor que freia a jactância, que é se achar melhor do que os outros, que freia a sensualidade, a avareza, a mentira, a inveja, a cobiça...

      Excluir
    2. Jesus disse aos fariseus: "Ai de vós, Escribas e fariseus hipócritas, que dizimais a hortelã, o endro e o cominho. E vos esqueceis do mais importante da Lei que é a fé o juízo e a misericórdia. deviam pois fazer estas coisas e não omitir aquelas." Traduzindo: "Está certo pregar sobre o dízimo (não entremos agora nesse detalhe), mas não se esqueçam de pregar a Lei por inteiro"
      Irmãos, entendamos que, lógico, não basta termos a aparência de um cristão se o nosso coração for do maligno. Porém, não basta dizermos que temos um "coração de cristão", se nosso corpo é do maligno. Não é o coração, o cabelo, os braços individuais , mas o nosso CORPO é templo do Espírito Santo, por dentro e por fora.
      Abraço.

      Excluir
    3. Amado,

      Teu "traduzindo" está errado. O Senhor mostrou a hipocrisia dos fariseus que aplicavam a Lei em coisas mínimas, mas se esquecia do principal que a Lei ensinava, que era sobre o AMOR, sim pois fé, juízo e misericórdia só existem no AMOR, tão bem explicado por Paulo em 1 Coríntios 13.

      Porém, voltando nesta passagem citada pelo irmão, o Senhor não estava pregando a Lei, porque é mais do que claro que a Lei era impossível de cumprir, tão bem explicada em Romanos 3:10-12
      E se a Lei na exterioridade já era impossível de ser cumprida, o Senhor Jesus foi além, em Mateus 5:20-48 mostrando que a Lei não era para ser cumprida na exterioridade, mas tinha a ver com a consciência, tornando ainda mais impossível de cumprí-la.

      Quem realmente compreende o único mandamento que o Senhor Jesus nos deixou (Jo 13:34), compreende que neste mandamento, está tudo, inclusive a SENSUALIDADE, que é o pecado que as vestimentas podem se encaixar, naquilo que o irmão insiste em dizer.

      Porém temos que lembrar que Sensualidade vai muito além de vestimentas, pois, como já disse, vi tanto moças e senhoras vestidas “comportadamente” tal como a religião mandava, mas que eram tomadas totalmente por sensualidade no falar, no olhar, no agir.

      Como também vi homens “bem trajados” como a religião mandava, mas que a promiscuidade era total no falar, olhar, agir.

      Então, novamente, lembremos que o Senhor Jesus Cristo não nos ensinou NADA sobre que roupas vestir. Ele nos ensinou a deixarmos a SENSUALIDADE (Lascívia nas traduções antigas), e termos modéstia. E isso uma mulher consegue tanto com uma saia como com uma calça jeans.

      E que Deus dê a nós homens olhos puros, tal como ensinado em Mt 6:22-23.
      Pois com esses olhos puros, o Senhor olhava para Prostitutas e não as desejava, antes via nelas pessoas carentes do AMOR de Deus.

      Então para nós homens, em vez de olharmos os ciscos nos olhos de nossas irmãs, mandando elas se cobrirem, olhemos para as traves em nossos próprios olhos, que são maliciosos e maus, cobiçando sempre, não importando quais as vestes usadas.

      Que Deus abençoe a todos nós.

      Excluir
  3. Amor que freia a jactância, que é se achar melhor do que os outros, que freia a sensualidade, a avareza, a mentira, a inveja, a cobiça...

    Perfeito irmão HP

    ResponderExcluir
  4. Amor que tem domínio sobre os atributos carnais...

    ResponderExcluir