Google+ Followers

sábado, 1 de março de 2014

Uma autoridade absoluta e infalível


Por Adiel Souza Tolentino

A Bíblia é o livro mais antigo do mundo, mas é também, por mais estranho que possa parecer, o mais atual. A razão disto é muito simples: a Bíblia é a Palavra viva do Deus vivo.
   
Quem lê a Ilíada ou a Odisséia de Homero, ou Os Lusíadas de Camões, ou a Divina Comédia de Dante, ou o Alcorão de Maomé, tem a impressão de estar cavando num cemitério da antiguidade, desenterrando defuntos milenares, tal é a desatualização. Tanto assim que numa pesquisa feita há alguns anos atrás o livro “DIVINA COMÉDIA” foi considerado o livro mais "cacete" do mundo para se ler.

Com a Bíblia não acontece o que acabamos de ver. A Bíblia é, sem dúvida alguma, o livro mais atual do mundo inteiro. A pergunta lógica que se faz é: Como pode um livro ser tão antigo e tão atual? Seria um mistério? De modo nenhum! Como já disse, a Bíblia é a Palavra viva do Deus vivo. Deus disse a Moisés: "Eu sou o que sou" (Ex.3.14). Isto quer dizer e o diz de uma forma contundente, que para Deus não há passado nem futuro, porque Deus sempre é. Como Deus sempre é sua Palavra também sempre é. Por isso ela era atual no tempo do Velho Testamento, no tempo em que Cristo estava na terra, no tempo de Lutero, é hoje e será no futuro.

O modo como Deus deu ao mundo a Sua Palavra, é maravilhoso. Deus no-la deu para ser sempre atual. "Não matar", era pecado no tempo de Adão. Gênesis registra que Caim foi severamente castigado por ter matado a seu irmão. "Não matar", era pecado no tempo de Abraão, no tempo da lei de Moisés, no tempo em que Cristo estava fisicamente na terra, na Idade Média, hoje e até no futuro. Isto mostra a ATUALIDADE da Bíblia. Deus nos deu a Bíblia. Registrou nela os princípios de vida de acordo com Sua sabedoria. Tais princípios são eternos. E Se são eternos são sempre atuais. Deus diz do Seu Livro: "A palavra do Senhor, porém, permanece para sempre” (I Pe. 1.15). Cristo disse: "Passará o céu e a terra, porém as minhas palavras não passarão" (Mt. 24.35). A Bíblia é a Palavra de Deus, e foi dada para permanecer, para ser sempre atual.
 
Vamos a algumas provas concretas, incontestáveis, da atualidade da Bíblia:

1ª) A Bíblia é o livro mais antigo, mais traduzido, mais editado, mais vendido, mais lido, mais conhecido, mais amado e mais seguido em todo o mundo. Como poderia acontecer tudo isto se fosse um livro desatualizado?

2ª) A Bíblia é o livro sobre o qual mais se escreveu no mundo inteiro, em todas as épocas, mas especialmente em nosso tempo. Como se poderia escrever tanto se o livro não fosse atual?

3ª) Centenas de seminários existem no mundo todo por causa da Bíblia e com a finalidade de estudá-la. Nenhum livro do mundo motivou tantas escolas especializadas. Como poderia ser isto se ela não fosse atual? Ela é atual. Por isso ela mexe tanto com o mundo.
  
4ª) Milhares de homens no mundo inteiro, neste momento, estão aprendendo, pelo menos, duas línguas difíceis, a hebraica e a grega, com a finalidade única de lerem e estudarem a Bíblia nas línguas originais. Nada semelhante aconteceu com livro algum no mundo.
 
5ª) Os DEZ MANDAMENTOS e muitas outras leis paralelas a eles, são a base para as leis de quase todos os países do mundo de hoje. Dizem os "críticos" que Moisés copiou as suas leis do Código de Hamurábi. Querem desvalorizar a Bíblia. Ora, isto é totalmente impossível por muitas razões, especialmente por uma: O Código de Hamurábi era politeísta, a lei de Moisés monoteísta.

6ª) Muitos trechos e frases famosas da Bíblia são muito bem conhecidos em todo o mundo e constantemente citados. O Salmo 23 é o trecho de livro mais conhecido do mundo. Milhões de pessoas no mundo o sabem de cor. A famosa frase de Jesus: "Dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus" (Mt. 22.21), é citada todos os dias no mundo. Ela permaneceu por estar registrada na Bíblia.
  
7ª) Em quase todos os tribunais do mundo as testemunhas juram que vão dizer a verdade com a mão sobre a Bíblia.
  
8ª) A Bíblia é o livro que mais inspirou poetas e compositores no mundo inteiro. Na verdade, as melhores e mais belas páginas musicais e poéticas do mundo foram inspiradas nas palavras da Bíblia. Quem não conhece a mundialmente famosa "ALELUIA", de Haendel? Ela foi inspirada em Apocalipse 19.1-10.
  
9ª) Milhares e milhares de sermões são pregados todos os anos, com base única e exclusiva nos textos da Bíblia. Seus autores gastam horas e horas sobre a Bíblia, para prepará-los.
  
10ª) Centenas de homens no mundo, neste momento, estão dando suas vidas com o único propósito de traduzir, editar e distribuir a Bíblia ao mundo.
  
11ª) Milhares de homens e muitos governos trabalham constantemente para destruir a Bíblia. Por que, se ela fosse desatualizada?
  
12ª) Milhões, mas milhões mesmo, literalmente, de pessoas lêem a Bíblia diariamente. Tudo isso e muito mais que poderíamos dizer, comprova que a Bíblia é um livro atual, atualíssimo.
  
Que livro é esse, que é tão antigo, mas tão atual? Por que esse livro promove tanto fascínio na humanidade? Seria mera coincidência? Não! Nada há de coincidente. A Bíblia é o livro de Deus, e é o ÚNICO livro do ÚNICO Deus.
  
Eis um exemplo clássico da atualidade da Bíblia: Pedro, na sua primeira carta, apresentou Sara como exemplo máximo de mulher submissa ao marido. Quando Pedro fez isso? Mais de dois mil anos depois da morte de Sara. Sara viveu antes que Deus começasse a dar a Sua Revelação escrita, mas já existia o princípio divino da submissão da mulher ao marido.
  
Outro exemplo da atualidade da Bíblia, temos no casamento monogâmico e indissolúvel, instituído por Deus no Éden e no Gênesis. Cristo deixou isto muito bem claro em Mt.19.3-12. O casamento do Éden perdeu, temporariamente, a sua indissolubilidade durante o tempo da lei, por causa do pecado, mas foi restaurado por Cristo ao cumprir Ele a lei.
  
Um ponto temos que deixar claro: A desobediência aos princípios de vida da Palavra escrita de Deus, no mundo de hoje, não é devido, de modo nenhum, ao fato de acharem que ela está desatualizada. A desobediência é devida ao pecado da rebelião generalizada do mundo de hoje, já predita e registrada na Bíblia. Hoje em dia, a insubmissão não é somente à Bíblia, mas a tudo e a todos, a qualquer autoridade.
  
A Bíblia é atual, queiramos ou não, sigamos ou não, obedeçamos a ela ou não. A atualidade da Bíblia é um fato divino e incontestável. Em outro tópico estudaremos a sua CONTINUIDADE, que é outra prova cabal da sua atualidade. Tudo isto prova que a Bíblia é a autoridade de que os crentes precisam. Podemos crer nela. Podemos e devemos buscar nela toda a orientação que precisamos para a nossa vida. Podemos e devemos moldar a nossa vida na Palavra escrita de Deus. A Bíblia tem ensinos precisos para tudo, para todas as áreas da nossa vida e nos mínimos detalhes. 

A CONTINUIDADE DA BÍBLIA

Voltaire, famoso filósofo francês nascido no século XVII e morto no século XVII, que exerceu grande influência na famosa Revolução Francesa, disse certa vez: "Dentro de cem anos a Bíblia terá desaparecido da face da terra". Por uma providência divina daquelas de estarrecer, de o homem ficar com a boca no pó, cem anos depois a casa em que Voltaire morava e disse isso era um depósito de Bíblias da Sociedade Bíblica Francesa. O incrédulo diria que isso foi uma traição do destino.

Deus começou a dar a Bíblia por volta do ano 1.450 a.C., e terminou por volta do ano 96 A.D. No período em que Deus a dava, muitas tentativas foram feitas para destruí-la. Após o ano 96 A.D., muitas outras foram feitas. Muitos homens e governos quiseram fazê-la desaparecer da face da terra. Governos, homens poderosos, políticos, religiosos, fizeram grandes esforços para destruírem a Bíblia. Todavia, apesar de todos os esforços malignos para destruírem-na, ela permanece sobranceira, pinacular, no topo do mundo, para quem quiser vê-la caminhar serena, impoluta e inatacável. Através dos séculos ela continua sendo o livro mais traduzido, mais editado, mais vendido, mais lido, mais amado, mais seguido, mas também o mais odiado, o mais perseguido e o mais destruído, pelo menos nas tentativas.
    
A pergunta lógica é: "Como pode um livro ser tão odiado, perseguido, destruído, subsistir por tantos séculos?" Seria pelos esforços dos crentes em protegê-la? Apesar dos esforços dos crentes, não é por isso que ela continua e subsiste. Por trás de toda a continuidade da Bíblia está a onipotente e providente mão de Deus. Afinal de contas, Deus a deu ao mundo com uma missão a cumprir. Ele a protege para que continue.
    
Deus cuidou e cuida para que a sua palavra subsista. Haja vista o modo como os judeus do Velho Testamento cuidavam dos textos sagrados, se fizéssemos hoje o que eles faziam naquele tempo, diriam que somos fanáticos. A descoberta de certos manuscritos em algumas cavernas a noroeste do Mar Morto, muito bem conservados, pertencentes à era pré-cristã, dá-nos uma idéia de como Deus age para resguardar a Sua Palavra. Quem os escondeu ali estava, porventura, querendo guardá-los da destruição? Podemos ter certeza de que Deus, sim.
     
Deus deu a Sua Palavra para permanecer. O profeta Isaías disse: “... A palavra do nosso Deus permanece eternamente" (Is. 40.8). Este mesmo texto foi citado por Pedro (I Pe. 1.25). Cristo disse que nem mesmo um "i" (traduções trazem “jota”, Yod, no hebraico) ou um "~" deixaria de ser cumprido da lei, até que a terra passe. O "i" (iota) é a menor letra do alfabeto grego, e o "~" era um pequeno sinal colocado em algumas letras hebraicas (Mt. 5.18). Noutra ocasião, disse: "Passará o céu e a terra, porém as minhas palavras não passarão" (Mt. 24.35). Dezenas de outros textos da própria Palavra de Deus falam da continuidade da Bíblia.
    
Deus tinha um propósito quando começou a dar a Bíblia, a sua Revelação escrita. Por que Deus a deu em forma escrita? Para permanecer. O Gênesis conta a história dos começos, quando Deus se revela como eterno e o Criador. A lei de Moisés foi dada como um expediente divino por causa do pecado e para preparar o mundo para a vinda do Messias, para revelar ainda mais sobre o Messias e manter o receptáculo do Messias em condições de dá-lo à humanidade. Os evangelhos tratam da vida terrena do Messias. O livro de Atos conta a história inicial da Igreja, a noiva do Messias. As epístolas dão a teologia da Igreja, em como a Noiva do Messias deve viver neste mundo. O Apocalipse completa a Revelação escrita e trata do fim deste sistema humano atual, da volta do Messias, do Juízo Final e da Igreja na eternidade. Jó 42.2 diz que nenhum dos planos de Deus pode ser frustrado. Deus, Ele próprio, é o principal interessado em que a Sua Palavra subsista. Ele cumprirá todos os seus propósitos. Quem tenta destruir a Bíblia luta contra Deus. Deus pergunta através do profeta Isaías: "Operando eu, quem impedirá?" (Is. 43.13).
    
A continuidade da Bíblia através dos séculos, com todo ódio e tentativas de destruição, comprova que ela veio de Deus e pode, deve e tem que ser a nossa única autoridade absoluta e infalível de que precisamos. Nenhum livro no mundo jamais passou pelo que a Bíblia passou e permaneceu. A continuidade da Bíblia é um dos grandes milagres de Deus e demonstra o Seu cuidado para com a Sua própria Revelação escrita.

A FUNCIONABILIDADE DA BÍBLIA

A Bíblia foi dada aos crentes com a finalidade de beneficiá-los. Só Cristo salva o pecador perdido, mas é a pregação da Palavra de Deus que mostra Cristo ao pecador. O Espírito Santo convence o pecador do seu pecado, da justiça de Cristo e do juízo de Deus, pela Palavra. Paulo disse que ela é a espada do Espírito (Ef. 6.17). O que o próprio Deus diz em Sua Palavra sobre o que ela própria pode fazer na vida dos crentes, é algo maravilhoso.

Ao povo de Israel, mas com aplicação para nós hoje, diz a Palavra escrita que devemos ter dez atitudes para com a Bíblia (Dt. 6.6-9). A Josué, Deus deu duas ordens expressas, com dois resultados maravilhosos, sobre a Palavra escrita (Js. 1.8). O Salmo 119 é o capítulo por excelência na Bíblia sobre ela mesma. Este capítulo fala da funcionabilidade da Bíblia na vida dos crentes. Em II Timóteo 3.16, a Bíblia tem quatro utilidades na nossa vida. Em Atos 20.32 diz que a Palavra tem poder para edificar e dar herança entre os santificados. Em João 17.17 diz que a Palavra santifica o crente. No Salmo 119.9, a Palavra de Deus guarda puro o caminho do jovem. No v.11 ela evita o pecado quando guardada no coração. No v. 105 ela é lâmpada para os pés e luz para o caminho. Em Mc. 16.15,16 diz que ela deve ser pregada no mundo inteiro para haver salvação. Conforme Rm. 10.17, a fé vem pela pregação da Palavra de Cristo. Conforme Jesus, em João 5.39, a Bíblia testifica d'Ele como o Cristo. Deus mesmo testifica em Sua própria Palavra da sua funcionabilidade.  Vamos agora ver na prática como a Bíblia tem funcionado ou agido na vida das pessoas.

Um dos maiores reavivamentos registrados nas páginas da própria Bíblia aconteceu quando acharam, não a Bíblia inteira, mas apenas uma pequena parte dela, a Lei de Moisés. O fato está registrado em II Reis 22 e 23 e II Crônicas 33 a 35. A simples leitura da lei promoveu um grande reavivamento:

(1) Tiraram do templo do Senhor os utensílios que tinham sido feitos a Baal, um deus pagão;
(2) Destruíram os sacerdotes que incensavam a Baal, ao Sol, à Lua, aos planetas e a todo o exército do céu;
(3) Tiraram da Casa de Deus o poste-ídolo e queimaram fora de Jerusalém;
(4) Derrubaram a casa de prostituição cultual;
(5) Profanaram os altos onde os sacerdotes incensavam aos deuses pagãos;
(6) Derrubaram os altares das portas que estavam à entrada da porta do governador da cidade;
(7) Profanaram a Tofete, onde se queimavam as crianças em sacrifícios pagãos;
(8) Tiraram os cavalos que os reis de Judá tinham dedicado ao Sol;
(9) Derrubaram o altar que estava sobre a sala de Acaz;
(10) Profanaram os altos que estavam defronte de Jerusalém;
(11) Derrubaram os altos que estavam em Betel, feito por Jeroboão;
(12) Tiraram todos os altos que havia na cidade de Samaria;
(13) Aboliram os médiuns, os feiticeiros, os ídolos do lar e todas as abominações.

Foi feita uma verdadeira limpeza. Depois fizeram uma aliança com o Senhor, de O seguirem e guardarem os Seus mandamentos de todo o coração e de toda a alma. Foi tão maravilhoso que Deus adiou o castigo que estava para mandar.

A famosa Reforma Protestante, que teve suas falhas, foi, apesar delas, um grande reavivamento espiritual. Foi o maior marco do fim da Idade Média, também chamada Idade das Trevas, visto que o Clericalismo Romano se apoderou da Palavra de Deus. Foi o maior marco do começo da Idade Moderna. Muitíssimos e grandes resultados positivos vieram da Reforma. Os seus resultados benéficos empolgam-nos. Pois bem, tudo começou quando Lutero descobriu uma Bíblia na Universidade de Wittenberg.

Todos os grandes reavivamentos da história começaram com a Bíblia. Os líderes de hoje, muitos deles, querem promover reavivamentos através de grandes movimentos, grandes campanhas, com multidões, mas os verdadeiros reavivamentos começam com a Bíblia, poucas pessoas e nos recantos silenciosos. Um grande incêndio sempre começa com uma fagulha que se alastra depois, destruindo grandes áreas.  O grande reavivamento metodista do século XVIII começou com um grupinho de jovens em Oxford, mas depois se alastrou por todo o mundo. Cristo começou com 12 homens. No dia de Pentecostes havia 120, logo depois 3.000, 5.000 e..., perdeu-se a conta.

Milhares de pessoas foram salvas por Cristo e tiveram suas vidas totalmente mudadas, simplesmente com a leitura da Bíblia.     Há um livro chamado "SOZINHA", que conta a vida de muitas pessoas que foram salvas por Jesus Cristo, unicamente com a leitura da Bíblia. Milhões de pessoas se converteram e se convertem com a pregação da Bíblia. Milhares de pessoas depravadas, bêbadas, viciadas em drogas, criminosas, ladras, prostitutas, fornicárias, homossexuais, suicidas em potencial, e muitos outros ainda, se converteram a Cristo com a pregação da Bíblia. Ela não salva o homem, mas mostra o Salvador. Nenhum livro no mundo inteiro, em todos eles juntos, fizeram e fazem o que a Bíblia já fez e faz na vida da humanidade. Só na eternidade saberemos o que a Bíblia fez na vida dos que foram salvos por Cristo. Por isso, alguém, muito sabiamente disse aos perseguidores da Bíblia: "Querem tirar a Bíblia da humanidade? Que o façam, mas que coloquem em seu lugar um livro melhor do que ela".
  
A Bíblia só não funciona muito mais na vida dos crentes porque estes não a conhecem. Cristo disse aos saduceus: "Errais não conhecendo as Escrituras nem o poder de Deus" (Mt. 22.29)  Como podem ter a Bíblia funcionando, operando, transformando, mudando suas vidas se não a conhecem? Uma boa parte da culpa pela ignorância da Bíblia é dos obreiros que Deus chamou para Sua obra. Convido cada obreiro a ler e estudar com muita atenção (Ef. 4.11-14).
  
Uma segunda razão porque a Bíblia não funciona mais na vida dos crentes é porque não cremos nela. Dizemos que cremos, mas, na verdade, não cremos. Há dois tipos de fé, uma da alma, a fé intelectual, e a outra do espírito, a fé espiritual. A maioria de nós tem fé intelectual. Crê na Bíblia do mesmo modo que crê que Cristóvão Colombo descobriu a América. Do mesmo modo que não muda nada em nossa vida crer que Colombo descobriu a América, também não adianta meramente fé intelectual ou da alma. Precisamos crer com o espírito, sem discutir, sem nos desculparmos.  Precisamos crer para obedecer, para depender de Deus. Muitas vezes queremos entender primeiro, para depois crermos. O inverso é que é a verdade. Crer com espírito significa que não há nenhuma possibilidade da parte do homem.  Quando Deus disse a Abraão que ele seria pai aos 100 anos, e que Sara seria mãe aos 90 anos, mesmo sendo estéril e mesmo tendo já parado a menstruação, ele creu. Humanamente falando, era totalmente impossível o que Deus disse, mas se Deus havia dito, estava dito, era verdade e pronto. Era só crer e esperar. Abraão tinha que crer na Palavra de Deus.  O mesmo acontece hoje. Quando Deus diz algo, temos que crer, mesmo quando não entendemos. Um dos pontos mais difíceis que tenho encontrado para os crentes crerem e, logicamente, obedecerem, é a questão do que Paulo diz sobre a mulher e seu marido, e os filhos e seus pais, sobre a obediência em tudo. (Ef. 5.24 e Cl. 3.20). Querem primeiro entender isso. O certo é crer no que Deus disse, obedecer e depois entender. A Bíblia diz que o Espírito Santo nos abre a mente, nos ilumina e nos capacita e nós devemos ouvi-lO quando Ele nos fala. Se quisermos que a Bíblia funcione em nossa vida, temos que estudá-la e crer nela.
  
A Bíblia realmente funciona na vida do crente. A sua funcionabilidade é uma prova de que ela veio de Deus e é a única autoridade de que os crentes precisam.

A UNIDADE DA BÍBLIA

A Bíblia tem dois testamentos, 66 livros, 1.189 capítulos, sendo 929 no Antigo Testamento e 260 no Novo Testamento. A edição que estou usando tem 1.033 páginas, em tipos bem pequenos, da Imprensa Bíblica Brasileira, versão Revisada. Isso quer dizer que a Bíblia é um livro relativamente grande. Ela foi dada por Deus paulatinamente, aos poucos, em aproximadamente 1.600 anos. Para dar a Bíblia ao mundo, Deus usou aproximadamente 40 homens. Estes homens viveram em épocas diferentes e em situações também diferentes. O nível cultural deles era diferente entre si mesmos. Moisés, por exemplo, foi educado na coorte de Faraó, em toda a ciência do Egito. Salomão foi o homem mais sábio que pisou na terra (I Rs. 3.12). Amós, todavia, foi um boieiro e colhedor de sicômoros. Davi foi um pastor de ovelhas, mas grande e mavioso musicista, que se tornou rei. Pedro e João eram pescadores. Lucas era médico. Vários outros eram profetas. A maneira como Deus deu a Bíblia ao mundo foi cheia de muitas e enormes dificuldades humanas, mais do que suficientes para que a sua unidade ficasse cheia de problemas. Nenhum livro do mundo veio à luz do mesmo modo que a Bíblia. Nem mesmo com alguma aproximação distante. A Bíblia foi dada de uma maneira totalmente única, singular e miraculosa.
    
Humanamente falando, se considerarmos o modo como a Bíblia foi dada, ela deveria ser o livro mais contraditório do mundo. Considerando tudo o que acabamos de ver acima, a Bíblia deveria ser o livro mais confuso, mais contraditório, mais errado, impossível mesmo de ser lido e compreendido. Contudo, apesar disso tudo, a Bíblia tem unidade perfeita e absoluta. A sua mensagem, desde o Gênesis até ao Apocalipse, é uma só, numa sequência lógica e crescente progressiva. Todos os seus autores humanos tiveram em vista sempre o mesmo assunto: A redenção do homem por meio de Cristo. O Gênesis fala da criação, da queda do homem, da primeira promessa, do dilúvio por causa do pecado, do surgimento da nação israelita, por meio da qual Deus deu a Bíblia ao mundo, e através da qual, também, nasceu o Messias. Os livros de Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio apresentam a lei, cuja finalidade era mostrar o pecado e preparar o povo para a vinda do Messias. Toda a mensagem do Velho Testamento é para o povo israelita esperar o Salvador. O Novo Testamento mostra o Salvador que já veio, foi para o céu, mas voltará. O Velho Testamento não se completa sem o Novo. Este, não pode ser explicado sem o Velho. Os dois se encaixam com perfeição. Podemos dizer da Bíblia como o quebra-cabeça mais completo e mais perfeito do mundo. Todas as suas partes, escritas por homens diferentes, em épocas diferentes, em circunstâncias diferentes, formam o quebra-cabeças mais perfeito do mundo. Tudo se encaixa com perfeição matemática, sem nem ao menos uma pequena contradição.
    
Qualquer pessoa honesta e inteligente sabe que os homens são seres absolutamente divergentes e jamais poderiam ter produzido um livro como a Bíblia. Qualquer pessoa que estuda bem a Bíblia crê que os homens, em qualquer situação e circunstância imagináveis, jamais poderiam ter produzido a Bíblia. Vamos a uma ilustração: 40 médicos- cirurgiões são escolhidos para escreverem um livro de 1.000 páginas sobre cirurgia. O livro é dividido em 40 tópicos sequentes. Cada médico recebe um tópico e começa a escrever o livro. Depois de certo tempo todos aqueles tópicos são colocados na ordem de seqüência para formar o livro. A pergunta inteligente é: "Haveria unidade nesse livro?" De modo nenhum! Com toda certeza seria o livro mais contraditório do mundo. Mesmo que todos escrevessem sobre o mesmo assunto e na mesma época. O que dizer, então, se escrevessem em épocas diferentes? E se não fossem todos médicos-cirurgiões? Não dá nem pra imaginar que tipo de livro sairia!
    
Deus já operou muitos e grandes milagres neste mundo. Para mim, a unidade da Bíblia é um dos mais maravilhosos milagres de Deus. Só mesmo o homem que não deseja crer, pode deixar de crer na Bíblia como a Palavra infalível e inspirada de Deus, e a nossa única autoridade absoluta. Os homens preferem crer nas contradições da sabedoria humana a crer na Palavra de Deus. Bem aconselhou o apóstolo Paulo a Timóteo, dizendo-lhe para evitar as contradições do saber, ou ciência, como traduz uma edição, como falsamente lhe chamam (I Tm. 6.20). Os homens não têm unidade em nada. Haja vista o caso da suposta idade da terra dada pelos geólogos. Alguns calculam que a terra tem 40 milhões de anos. Outros acham que tem 70 milhões de anos.  Milhares de homens e muitos governos trabalham constantemente para destruir a Bíblia. Por que, se ela fosse desatualizada?
A unidade da Bíblia comprova que ela, somente ela, é a nossa ÚNICA AUTORIDADE ABSOLUTA E INFALÍVEL. 
    
A PREDICIDADE DA BÍBLIA

Por predicidade, refiro-me à profecia cumprida da Bíblia. A Bíblia está repleta de profecias, desde o Gênesis até o Apocalipse. Alguns dos seus livros são exclusivos de profecias, como Daniel, Ezequiel e Apocalipse. A Bíblia tem centenas, literalmente centenas, de profecias que já foram cumpridas na história, muitas delas nos mínimos detalhes. Isso comprova que ela é um livro divino e digno de fé, e a autoridade de que os crentes precisam.
    
São tantas profecias cumpridas que seria difícil catalogá-las todas aqui, a menos que quiséssemos escrever um livro somente sobre este assunto. São tantas e tão minuciosas no cumprimento, que os "críticos", para não dizermos "incrédulos", negam a veracidade da Bíblia, mormente o livro de Daniel. O volume e os detalhes de profecias de Daniel são tão impressionantemente cumpridos que os críticos negam que tenha sido escrito por Daniel e na data que diz ter sido escrito. Dizem que foi escrito por outro homem, e depois dos fatos terem acontecido.
    
Para não me alongar muito, darei apenas uma pequena lista das profecias cumpridas de Daniel:

1. Quatro impérios mundiais dominariam o mundo até à volta de Cristo. Foram eles: Babilônico, Medo-Persa, Grego e o Romano;

2. Quatro impérios mundiais representados por quatro metais, o OURO (a glória de Babilônia); a PRATA (os impostos da Média-Persa); o BRONZE (as armas de guerra da Grécia; o FERRO (a resistência de Roma);

3. Quatro impérios mundiais representados por quatro animais, o LEÃO (a majestade do império babilônico); o URSO (o poderio Medo-Persa); o LEOPARDO (a rapidez das conquistas de Alexandre no Império Grego); o MONSTRO (a monstruosidade do Império Romano). 

4. O URSO (Dn. 7.5) se levanta sobre um dos seus lados, e o CARNEIRO com dois chifres, sendo um mais alto que o outro (8.3,4), falam das duas nações que formaram o Império Medo-Persa, mas com a Pérsia sendo mais forte que a Média.

5. O URSO tinha três costelas na boca, e o CARNEIRO dava marradas para o Ocidente, Norte e Sul. Isto fala dos três lados para onde o Império Medo-Persa estendeu as suas conquistas.

6. O URSO e o CARNEIRO foram sucedidos pelo LEOPARDO e o BODE. O Império Grego sucedeu o Império Medo-Persa.

7. O LEOPARDO tinha quatro cabeças e o BODE quatro chifres. Isto tem a ver com as quatro divisões do Império Grego após a morte de Alexandre, para quatro dos seus generais: Cassandro, Lisímaco, Seleuco Nicátor e Ptolomeu.

8. O LEOPARDO tinha quatro asas e o BODE vinha do ocidente sem tocar no chão. Isto tem a ver com a rapidez das conquistas de Alexandre. Em cinco anos ele conquistou todo o mundo civilizado da época.

9. O BODE tinha um chifre notável entre os olhos. É uma referência profética a Alexanddre, o Grande.

10. O chifre notável do BODE foi quebrado no auge do seu crescimento. Alexandre morreu no auge das suas conquistas, aos 33 anos.

11. De um dos quatro chifres que nasceram no BODE, nasceu um que se tornou terrível e fez coisas hediondas e horrorosas. É uma referência a Antíoco Epifânio, que foi o mais ferrenho e perverso inimigo dos judeus.

12. O CHIFRE PEQUENO DO BODE tomaria o santuário dos judeus por duas mil e trezentas tardes e manhãs. É uma profecia cumprida quando Antíoco Epifânio profanou o templo e este ficou fechado durante exatamente 2.300 dias sem os sacrifícios.
13. Haveria guerras constantes entre os reis do norte e os do sul. Cumpriu-se nas constantes e duradouras guerras entre os reis selêucidas que reinaram na Síria, ao norte e os reis Ptolomeus que reinaram no Egito, ao sul. Creio que estas bastam. Sugiro a leitura do livro PERÍODO INTERBÍBLICO.

Outro aspecto impressionante da profecia cumprida e, certamente, o mais importante de todos, refere-se às profecias cumpridas em Cristo. Eis algumas, com seus respectivos cumprimentos:

1) Nasceria da semente da mulher (Gn. 3.15); Cumpriu-se em Mt. 1.18-25; Lc. 1.26-38.
2) Seria descendente da tribo de Judá (Gn. 49.10); Cumpriu-se em Mt. 1.1,2.
3) Seria descendente de Davi (II Sm. 7; I Cr. 17);  Cumpriu-se em Mt. 1.1,2.
4) Nasceria de uma virgem (Is. 7.14); Cumpriu-se em Mt. 1.18-25 e Lc. 1.26-38.
5) Nasceria em Belém (Mq. 5.2); Cumpriu-se em Mt. 2.1-15.
6) Haveria matança de crianças (Jr. 31.15); Cumpriu-se em Mt. 2.13-18
7) Seria levado para o Egito para que de lá pudesse ser chamado (Os. 11.1); Cumpriu-se em Mt. 2.13-15.
8) Seria precedido por um profeta especial (Is. 40.3); Cumpriu-se em Mt. 3.1-3.
9) Seria luz para os gentios (Is. 9.1,2); Cumpriu-se em Mt. 4.13-17.
10) Teria um ministério de curas miraculosas (Is. 53.4); Cumpriu-se em Mt. 8.16,17.
11) Teria um ministério sem aparato (Is. 42.1-4); Cumpriu-se em Mt. 12.15-21.
12) Pregaria e ensinaria por meio de parábolas para que não houvesse entendimento
(Is. 9.6-9); Cumpriu-se em Mt. 13.10-23.
13) Seria traído por um dos Seus (Sl. 41.9); Cumpriu-se em Mt. 26.20-25.
14) Seria ferido e Suas ovelhas seriam dispersas (Zc. 13.7); Cumpriu-se em Mt. 26.31.
15) Seria vendido pela importância de trinta moedas de prata (Zc. 11.12,13);
Cumpriu-se em Mt. 26.14-16.
16) Suas vestes seriam repartidas (Sl. 22.18); Cumpriu-se em Mt. 27.35.
17) Lançariam sortes sobre Sua túnica (Sl. 22.18); Cumpriu-se em Jo. 19.23,24.
18) Seria zombado (Sl. 109.25); Cumpriu-se em Mt. 27.39.
19) Clamaria na hora da sua morte (Sl. 22.1); Cumpriu-se em Mt. 27.45-47.
20) Beberia vinagre (Sl. 69.21); Cumpriu-se em Mt. 27.48.
21) Nenhum dos seus ossos seria quebrado (Sl.34.20); Cumpriu-se em Jo. 19.36
22) Não creriam na Sua pregação (Is. 53.1; 9.6); Cumpriu-se em Jo. 12.27-41.
23) Tomaria sobre Si o pecado do seu povo (Is. 53.5,6); Cumpriu-se em I Pe. 2.24,25.
24) Seria oprimido e humilhado, mas não abriria a Sua boca. Iria para a morte como        
cordeiro para o matadouro (Is. 53.7); Cumpriu-se em At. 8.32-33.
25) Estaria com o rico na Sua morte (Is. 53.9); Cumpriu-se em Mt. 27.57-61; Mc.            
Mc. 15.42-47 ; Lc. 23.50-56 e Jo. 19.38-42.
26) Teria Suas mãos e pés traspassados (Sl. 22.16); Cumpriu-se em Jo. 20.26-29.
27) Atrairia os gentios para Si (Is. 11.10; 53.12) - ver Jo. 12.32; Cumpriu-se em Rm.    15.12.
28) Ressuscitaria (Sl. 16.10); Cumpriu-se em Jo.20; I Co. 15.4.
29) Voltaria para o céu (Sl. 68.18; 110.1); Cumpriu-se em Mt. 22.44; Mc. 12.36; 16.19; 
Lc. 20.42,43; At. 2.34,35.
30) Intercederia pelos transgressores (Is. 53.12); Cumpriu-se em Lc. 23.34.

Há mais profecias que se cumpriram em Cristo, mas creio que estas bastam, para que creiamos que a Bíblia veio de Deus e é a autoridade de que precisamos. Nada disso foi coincidência. Nem tão pouco, previsões. São profecias dadas por Deus e registradas em Sua Palavra. Se Deus as registrou na Bíblia, é porque Ele queria que crêssemos nela.
    
A grande maioria das profecias sobre o Messias cumpriu-se na curta vida de Cristo de apenas 33 anos. Das que se cumpriram na primeira vinda, a maioria se cumpriu na última semana de Sua vida. Mais ainda, das que se cumpriram na última semana, a maioria se cumpriu no último dia de Sua vida. Na verdade, os estudiosos catalogaram mais de trinta profecias cumpridas durante as seis horas que Cristo passou na cruz. Será que alguém precisa de uma prova maior do que esta para aceitar a Bíblia como a autoridade de que precisamos?
    
Hoje em dia os críticos querem separar, na Bíblia, aquilo que supõem ser a Palavra de Deus daquilo que supõem não ser. Ora, eles não têm autoridade para isso, visto que está mais do que provado que o homem é um ser pecador, corrompido, corrompível e destruidor. Neste caso estaríamos num caos, pois que cada "crítico" determinaria a Sua própria Palavra de Deus. Com qual ficaríamos? Ou então uns poucos homens se declarariam os determinadores da autoridade e passariam a manipular a humanidade, como fez o Clero Romano. O homem não pode determinar o que é e o que não é a Palavra de Deus, pois que destruiria a Bíblia inteira. Cada "teólogo" quereria tirar as partes que ele suporia não ser a Palavra de Deus. Retalhariam tanto a Bíblia que ficaria que ficaria irreconhecível e imprestável.  As evidências de que a Bíblia é a Palavra de Deus são tantas, tão espalhadas por toda a Bíblia e tão intrinsecamente tecidas nos textos bíblicos, que qualquer tentativa suposta de tirar o que não é do que é a Palavra de Deus, mutilaria a Bíblia toda. Alguns "teólogos" tentaram fazer isso, mas trouxeram muito mais males do que bens. Ruolf Bultmann tentou fazer o que ele chamou de "Desmitificação do Novo Testamento", para determinar o que ele achava serem as palavras de Cristo das palavras dos apóstolos e das palavras dos pais da Igreja. Hoje, muitas igrejas da Alemanha estão vazias, e Bultmann tem sido acusado de ser um dos causadores deste esvaziamento. Já citei uma frase famosa de alguém que disse muito acertadamente: "Querem tirar a Bíblia da humanidade? Que o façam, mas que coloquem em seu lugar um livro melhor do que ela". Bultmann, com suas idéias infernais, tentou tirar (e tirou de muitos) o Novo Testamento do povo alemão, aquele mesmo que Lutero traduziu com fogo e sangue. Bultmann não deu nada ao povo alemão, nem podia, pois não tinha nem para ele. O que ele deu para muita gente foi desilusão e incredulidade. Querer levar o povo a rejeitar a Bíblia é a coisa mais tola que alguém pode tentar fazer. Mesmo que ela fosse um livro cheio de erros, ainda não seria vantagem, pois ela só tem feito bem à humanidade.
    
Terminando este tópico, apresento mais um aspecto tremendamente importante da profecia cumprida. É o que está acontecendo na atualidade. Há muitas profecias se cumprindo nos dias de hoje. Eis algumas:

1) A reconstrução da cidade da Babilônia, que já começou;
2) O surgimento de uma espécie de urubus na Palestina, própria dessa região. Mais importante ainda,  a tal espécie se reproduz três vezes mais do que a comum da região. Isso daria cumprimento ao que está escrito em Apocalipse 19.11-21, especialmente v.17,18.
3) A construção de armas de guerra pelos russos de uma madeira mais resistente do que o aço. Isso daria cumprimento ao que diz Ezequiel 38 e 39, especialmente 39.9,10.
4) O surgimento do Mercado Comum Europeu que de um modo cabalístico está se encaixando no quebra-cabeças bíblico sobre a ressurreição do Império Romano.

Todavia, uma profecia ou grupo de profecias que chama a minha atenção de modo especial, é o que está acontecendo com o povo de Israel. Depois de 2.500 anos sem terra, sem pátria, espalhado pelo mundo, Israel volta a ser nação livre. O cumprimento desta profecia, repetida muitas vezes no Velho Testamento, tem sido um dos grandes milagres divinos do nosso tempo, uma comprovação de que a Bíblia é a autoridade de que precisamos. Dezenas de profecias falam da dispersão. Começa em Dt. 28.64-68. Ver ainda Jr. 9.16; 13.24; 18.17; 30.11; 31.10; Ez. 6.8; 11.16; 17.21; 20.23 e outras. Contudo, Deus espalhou, mas prometeu restaurar o povo de Israel. Eis algumas passagens: Is. 10.20,21; 11.11; 14.1,2; 27.13,14; Jr. 31.8,9; 33.7-11; Ez. 11.17-20; 20.33-38; 34.13-16; 36.24-30; 37.21-25; Rm. 11.  Alguns intérpretes colocam nestas passagens e muitas outras um sentido simbólico ou metafórico, ou alegórico, ou espiritualizam, o que não é possível se forem aplicadas as regras de interpretação e se interpretarmos a Bíblia com a própria Bíblia. Alguns chegam a achar que a volta de Israel à sua antiga terra é mera coincidência.

Se analisarmos tudo o que aconteceu com Israel no passado, com tudo o que acontece agora, e colocarmos tudo isso à luz da Bíblia, veremos que não existe nenhuma coincidência. Por mais de 2.500 anos Israel ficou sem terra e sem pátria, espalhado entre as nações. Apesar disso, jamais se misturou com as nações. Jamais perdeu a sua identidade. O que aconteceu com Israel jamais aconteceu com qualquer povo. Só um grande milagre de Deus poderia fazer com que Israel permanecesse ileso da mistura com as nações. E isto sem falarmos das tentativas de destruição, efetuada contra o povo de Israel. Israel voltou à sua antiga terra. Uma sucessão de outros fatos mais o de Israel mostram que Deus está agindo para cumprir a Sua Palavra escrita.

O curioso de tudo isso é que os críticos ou intérpretes menos avisados, consciente ou inconscientemente, arranjam interpretações engenhosamente inventadas para, numa tentativa, não sei por quais motivos, negar os fatos, as evidências. Se alguém não aceita a evidência da profecia cumprida, não podemos fazer nada, além de orar por ele. O fato é que a predicidade (profecia cumprida) é uma comprovação de que a Bíblia é de fato a autoridade de que precisamos.

A CIENTIFICIDADE DA BÍBLIA

A Bíblia não é e nem pretende ser um tratado de ciências, nem foi escrito para cientistas. Deus a deu ao povo. Por isso, sua linguagem é simples e compreensível. Se Deus tivesse usado linguagem científica ninguém entenderia a Bíblia, nem os próprios cientistas. Todavia, isso não quer dizer que a Bíblia não tenha muita coisa relacionada com a Ciência. Daí a sua cientificidade. Muitas verdades e fatos científicos descobertos só têm vindo confirmar muitas verdades da Bíblia. A cientificidade da Bíblia não só comprova que ela veio de Deus, mas também que é a única autoridade de que os crentes precisam. Vamos apresentar neste tópico uma série de fatos científicos comprobatórios da autoridade absoluta e infalível da Bíblia.

A ETNOLOGIA COMPROVA A CIENTIFICIDADE DA BÍBLIA

ETNOLOGIA é a ciência que estudas as raças vivas, seus costumes, suas origens e suas peculiaridades distintivas e todos os paralelismos. A Etnologia não discute o que descobre. Seu trabalho é apenas descobrir e registrar os fatos. A partir disso, suas descobertas e registro dos fatos torna-se de domínio público, não podendo, por isso mesmo, ser mais negados.
    
Eis uma lei da Etnologia: "Quando povos vivem completamente separados entre si, mas têm um corpo de tradições, fica comprovado que tais povos se originaram do mesmo lugar". Eis outra lei: "Quando povos completamente isolados entre si, têm, todos eles, tradições e crenças sobre certo acontecimento no passado, esse consenso unânime estabelece o fato de que houve alguma ocorrência histórica no passado que dá base para tal crença".
    
Pois bem, os etnólogos encontraram em quase todas as raças pesquisadas, tradições comuns sobre a criação e sobre o dilúvio, todas elas com um consenso comum ao que diz a Bíblia sobre os mesmos fatos. Por exemplo, os etnólogos descobriram 33 raças completamente separadas entre si, com tradições sobre um dilúvio, cuja base comum se enquadra com o relato bíblico. Portanto, isso só pode comprovar a autoridade da Bíblia no relato de grandes fatos do passado.

A ARQUEOLOGIA COMPROVA A CIENTIFICIDADE DA BÍBLIA

A ARQUEOLOGIA estuda as raças e civilizações mortas e desaparecidas, através de escavações, estudo minucioso e comparativo de todos os objetos encontrados e a prestação de relatórios. O arqueólogo fiel e honesto descobre, estuda e registra, sem deturpar os fatos. A Arqueologia tem sido um dos mais eficientes meios usados por Deus para se comprovar a autoridade da Bíblia. Poderíamos catalogar centenas de fatos, mas vamos a apenas a alguns, mais do que suficientes para comprovar a cientificidade da Bíblia.
    
Daniel mencionou Dario como um rei do Império Medo-Persa. Os "críticos" incrédulos zombavam e desprezavam a Bíblia porque ela, por muitos séculos, foi a única fonte sobre esse rei. Todavia, em anos relativamente recentes, Sir Henry Rawlinson descobriu uma inscrição a 322 quilômetros da Babilônia, numa rocha a 560 metros de altura, em três línguas - persas elamita e babilônica - escrita por volta de 516 anos antes de Cristo, narrando às conquistas de Dario. Ele gastou 14 anos para decifrá-la.
    
Os críticos zombavam da Bíblia, dizendo que Moisés jamais poderia ter escrito o Pentateuco na data em que Moisés viveu, pois naquela época, segundo eles, ainda não havia a escrita. Pois bem, os arqueólogos desenterraram a cidade de Sipar, Rassan em 1881 e Shel em 1894. Desenterraram 60.000 placas, dando uma biblioteca de 30.000 volumes. Isto data de muito antes de Moisés. Foi desenterrada também a cidade de Abraão, Ur. Descobriram uma escola onde acharam 150 placas de exercícios escolares com textos de matemática, medicina, história e mitologia. Acharam uma grande placa com 5 diferentes classes de temas verbais, com explicações. Estas descobertas datam de cerca de 3.000 anos antes de Cristo. Ora, Moisés escreveu o Pentateuco entre 1440 e 1400 antes de Cristo, muito depois. A escrita já existia muito antes de Abraão chegar a Canaã.
    
Os críticos zombavam da Bíblia por causa do seu retrato do dilúvio. Diziam não passar de uma lenda. Já citei o fato de os etnólogos terem encontrado 33 raças com tradições sobre o dilúvio semelhante ao relato bíblico. Os arqueólogos desenterraram nas geleiras da Sibéria milhares de mamutes, um antecessor do elefante. Estavam congelados, mas em perfeito estado de conservação. Até mesmo o capim da última refeição, antes da morte brusca, estava verde no ventre dos mamutes, como se tivessem comido há poucos instantes. O curioso de tudo isso consiste no fato de hoje aquela região não ser região de elefantes. Mais curioso ainda, o capim encontrado no ventre dos mamutes ou elefantes não existe na região. Como explicar estas duas curiosidades? Como explicar a presença de milhares de elefantes numa região totalmente imprópria para eles hoje? Como explicar a morte repentina de milhares deles ao mesmo tempo? Só um dilúvio nas proporções daquele registrado na Bíblia poderia justificar e explicar o que aconteceu. Sugiro a leitura dos livros "A BÍBLIA E A CIÊNCIA MODERNA" e "CRIAÇÃO OU EVOLUÇÃO".
    
Como explicar tudo isto? A única explicação é o dilúvio bíblico. O que a Bíblia diz a respeito do dilúvio e os fatos geológicos atuais se encaixam perfeitamente. A diferença consiste no fato de a Bíblia ter narrado o fato há mais de três mil anos, e os geólogos só terem descoberto há pouco tempo. Como, numa época tão remota, a Bíblia poderia relatar fatos mais remotos ainda que ela? Ocorre que ela veio de Deus. Deus inspirou o autor sagrado e o registro saiu correto.

Outros livros sugeridos:
"INTRODUÇÃO AO LIVRO DE GÊNESIS" - Antonio Neves de Mesquita - JUERP
"O NOVO COMENTÁRIO DA BÍBLIA" - Dr. Russel P. Shedd - Edições Vida Nova

A CIENTIFICIDADE DA BÍBLIA COMPROVADA POR OUTRAS DESCOBERTAS CIENTÍFICAS

O livro de Jó é o livro mais antigo da Bíblia. Foi escrito há mais ou menos três mil e quinhentos anos. Nele há um questionário altamente científico, com perguntas tão difíceis que até hoje, mesmo com as muitas máquinas sofisticadas e tantas descobertas fantásticas, os cientistas ainda não conseguiram responder nem a metade delas. Deus pergunta a Jó, por exemplo, se ele sabia sobre o tesouro da neve e da saraiva (Jó 38.22,23). Os cientistas zombavam da Bíblia por causa desta passagem. - Onde já se viu riqueza na neve? - diziam. Depois disso, os próprios cientistas descobriram a riqueza da neve. Descobriram que a neve e a saraiva trazem da atmosfera o nitrogênio, a amônia, o nitrato, os nitridos e a amônia albuminoide que fertilizam o solo. Estes produtos custam uma fortuna incalculável. O fertilizante artificial usa, obrigatoriamente, estes produtos. Como o autor sabia de tudo isso? Ele não sabia. Foi Deus Quem inspirou o autor sagrado.
    
Deus fez outra pergunta a Jó e mencionou o cântico das estrelas (Jó 38.4-7). Os cientistas riam disso. Hoje, contudo, já se descobriu que o som é produzido por vibrações. Tais vibrações são produzidas por energia solar. Os raios infravermelhos e ultravioletas do Sol e das estrelas é que produzem energia, e a energia produz vibrações. Estes mesmos raios produzem, imperceptível ao ouvido humano, mas captado por aparelhos eletrônicos moderníssimos, sons tão harmoniosos como os de uma harmoniosa orquestra. Aqui está o cântico das estrelas. Por isso a Bíblia é a nossa única autoridade.
    
Em Jó 26.7 está dito que Deus "estende o norte sobre o vazio e faz pairar a terra sobre o nada". Ora, será que os homens daquela época sabiam que a Terra sustentava-se sobre o nada no cosmo? Conheciam eles a lei da gravidade? Como podiam saber sobre um fato que os cientistas só descobriram muitos séculos depois? Os homens daquela época não sabiam de nada disso, certamente. Ocorre que Deus sabia e revelou, inspirou e registrou tais verdades em Sua Revelação escrita.
    
O profeta Isaías, há mais de 2.500 anos atrás, falou sobre a redondeza da terra (Is. 40.22). Como ele podia saber disso se os cientistas só descobriram isto muitos séculos mais tarde? De novo, Deus revelou, inspirou e registrou.
    
Um dos casos que mais me empolgam com respeito à veracidade é o caso de Jonas ter sido tragado por um grande peixe. Muitos homens zombavam da Bíblia por causa disso. Contudo, nos últimos decênios, foi demonstrado por descobertas científicas que o que a Bíblia registra pode acontecer sem maiores problemas. Descobriu-se que dois grandes grupos de baleias, as denticetas, que possuem dentes, e as misticetas, que não possuem dentes. As misticetas possuem lâminas na boca. Cada lâmina pode ter até 18 polegadas de altura por 13 de largura. Algumas baleias chegam a ter muitas dessas lâminas. Quando querem comer, abrem bem a boca e engolem muita água. Com a água entram também muitos peixes e outros animais marinhos. Depois elas continuam com as bocas abertas, mas descem as lâminas, formando uma espécie de peneira. As baleias são mamíferas e respiram o ar como o que nós respiramos. De vez em quando elas sobem à tona para respirar. Possuem na cabeça um grande reservatório de ar, de mais ou menos 14x10x7 pés de capacidade. Depois que a baleia joga toda a água que engoliu, ficam os peixes e outros animais. Se algum animal é grande demais, naturalmente ele é enviado para o reservatório de ar, que fica na cabeça da baleia. Indo para a cabeça, começa a pesar. Quando isso acontece, naturalmente a baleia vai até à praia e expele o objeto. Tudo isto combina perfeitamente com o que aconteceu com Jonas.
    
A espécie cachalote pode chegar a 56 pés de comprimento e tem garganta estreita. A Focinho de Porco ou Bicuda pode chegar a 30 pés e tem garganta larga. A Megpetera pode chegar a 50 pés e come qualquer coisa. A Baleopetera pode chegar a 95 pés e a 147 toneladas. Possui quatro repartições no seu reservatório de ar. Em cada uma dessas repartições pode caber um homem. Jonas bem poderia ter sido tragado por uma dessas baleias. Ela coou a água para ficar com os alimentos. Como Jonas era grande demais foi impelido para o reservatório de ar. Como pesou, a baleia o vomitou na praia. Entretanto, a Bíblia não diz que Jonas foi tragado por uma baleia, mas por um grande peixe. Alguns tradutores traduziram baleia, mas a palavra hebraica usada não é a mesma para baleia.
    
Os cientistas descobriram também que há tubarões tão grandes que poderiam facilmente engolir um homem. O Rhinodon Tipicus pode chegar a 50 pés, não tem dentes e come coando. Em Hawaí, um soldado foi tido como desertor. 30 dias depois, pescadores japoneses foram pescar em Hilo e encontraram um desses tubarões aquecendo-se ao sol, na superfície das águas. Foi pescado, e dentro dele encontraram o esqueleto de um homem de 6 pés de altura. Sadao Nakatos, um negociante de Honolulu, foi encontrado inteiro dentro de um tubarão morto. Um marinheiro inglês foi engolido. A gritaria da tripulação fez o tubarão fugir. A frota de pescadores foi ao encalço dele. Foi pescado 8 horas depois. O marinheiro foi encontrado desmaiado. Depois disto foi exposto por um certo preço para ser visto pelos curiosos. Um homem, noutro caso, ficou dois dias e duas noites dentro de um tubarão. Ao ser retirado estava sem os seus pelos e com a pele toda manchada, mas vivo. Como vemos, Jonas foi mesmo engolido por um grande peixe. A Bíblia estava, está e sempre estará certa.
    
Muitas outras coisas a Bíblia já disse, tendo a Ciência apenas confirmada. Ela provou ser a autoridade de que precisamos. Não posso entender como certas pessoas não podem crer e aceitar a Bíblia como a Palavra INSPIRADA, ABSOLUTA, INFALÍVEL, COMPLETA. PERFEITA e FINAL de Deus, e a nossa ÚNICA AUTORIDADE. Creio nela com todo o meu espírito, alma, corpo, inteligência, vontade, com cada célula do meu corpo.

CONCLUSÃO:

Com este estudo ficou comprovado que a Bíblia é a nossa única autoridade digna de plena confiança. Todavia, de que adianta isso se não comemos a Bíblia para sermos orientados por ela? Portanto, prezado(a) irmã(o), faço-lhe um apelo veemente: Leia a Bíblia. Mas leia mesmo. Leia-a todos os dias. Leia muitos e muitos capítulos cada dia. Leia-a inteira todos os anos. Se possível, mais de uma vez. Leia-a de Gênesis até ao Apocalipse.
    
Prezado (a) irmã (o), ler apenas não é o suficiente. Estude a Bíblia. Primeiro você deve aprender como estudá-la. Sugiro a leitura dos livros "O ESTUDO DA BÍBLIA É FÁCIL", "COMO ESTUDAR A SUA BÍBLIA" e "COMO ESTUDAR A BÍBLIA SOZINHO". Estude metódica, constante, profunda, exegética e sequiosamente, e o (a) irmã(o) verá o que Deus fará em sua vida através da Palavra. Sua vida mudará completamente. Um grande avivamento espiritual terá início em sua vida. Você será um crente feliz e vitorioso.
    
Prezado (a) irmã (o), comece a ler e a estudar a Bíblia agora, mas sem preconceitos, com o coração aberto, pronto para ser bombardeado e lapidado pela espada do Espírito. Que Deus o ajude!      
UMA AUTORIDADE ABSOLUTA E INFALÍVEL

Sobre o autor: Pr. ADIEL SOUZA TOLENTINO é Teólogo, Mestre em Filosofia e Professor das matérias de “TEOLOGIA SISTEMÁTICA” e de “RELIGIÕES E SEITAS” da Faculdade Teológica Batista de Osasco e Adjacências (FATBOA).

Nenhum comentário:

Postar um comentário