Google+ Followers

terça-feira, 4 de março de 2014

O crente pode ter o seu nome riscado do Livro da Vida?


Por Lazaro Justo Jacinto

Navegando nas águas turvas da imaturidade, principiei minha vida cristã numa denominação religiosa destituída da Verdade Neotestamentária. E, nesse nada saudoso recinto de ensinos heréticos, numa bela manhã de “escola bíblica dominical”, o “pastor” local, que, além de suas “atividades pastorais”, exercia também as de bancário e fazendeiro, do púlpito pregou, dizendo: “Toda pessoa que aceita a Cristo como Salvador tem o seu nome escrito no Livro da Vida. Acontece, porém, que Deus tem ao lado do Livro uma borracha. Toda vez que o crente peca Deus passa a borracha de leve sobre o seu nome, até que fique quase invisível. Se o crente persistir no pecado, Deus apaga de vez o nome e ele perde definitivamente a sua salvação.”

Bem, quero manifestar todo meu antagonismo à tamanha heresia, informando que as Escrituras Sagradas revelam-nos a existência de dois livros da vida. De um é riscado o nome de uma pessoa quando morre, seja ela crente ou incrédula. É o livro da vida natural, temporal, terrena. Do outro, que é o Livro Espiritual, o Livro da Vida Eterna, O LIVRO DA VIDA DO CORDEIRO, no qual estão inscritos SOMENTE OS SALVOS, o Senhor Deus jamais ameaça riscar o nome de ninguém.

Ao ler certas passagens das Sagradas Escrituras, o pseudocristão, que reza a cartilha da salvação amissível, se assombra de terror ao aventar a possibilidade de perder a sua “salvação”. É óbvio que esses sustos fantasmagóricos são atinentes tão somente aos crentes superficiais, porquanto a Salvação que o Senhor Jesus Cristo dá aos lídimos crentes nEle é absolutamente eterna. É Vida Eterna eternamente inamissível!

E um dos espectros do pseudocristão, em sua fé superficial, ocorre quando ele lê: “Agora, pois, perdoa o seu pecado; ou se não, risca-me do teu livro, que tens escrito. Então disse o Senhor a Moisés: Aquele que tiver pecado contra mim, a este riscarei do meu livro.” (Êx.32:32,33). Este texto fala de quando Moisés desceu do monte Sinai e encontrou o seu povo a cultuar o bezerro de ouro; e, tendo esse pecado acendido a ira do Senhor, que os queria consumir, Moisés então intercede pelo povo prevaricador. O Profeta, é claro, sabia que quando Deus falava em riscar o nome de alguém do livro da vida terreal, tratava-se de extirpá-lo do meio de seu povo, consoante Gn.17:14; Lv.7:20,21,25,27; 17:9,10,14; 18:29; 19:8; 20:3,6,17,18; 22:3; e 23:29,30.

É inconcebível a ideia de ver um homem do quilate espiritual de Moisés não mais querendo ser salvo e, portanto, rogando a Deus para tirar-lhe a Salvação Eterna.

Ora, ao riscar Deus o nome de um salvo do livro da vida natural (que é extirpá-lo do meio de seu povo), não significa que esse salvo será igualmente riscado do Livro da Vida do Cordeiro e perderá a sua Salvação, como acreditam os pseudocristãos. Prova disso é que, em Lv.18:8,29, lemos: “Não descobrirás a nudez da mulher de teu pai; é nudez de teu pai. (…) Pois qualquer que cometer alguma dessas abominações, sim, aqueles que a cometerem serão extirpados do seu povo.”; e, noutro tempo, vemos um crente incorrendo neste pecado, ou seja, descobrindo a nudez da mulher de seu pai, o que levou o Apóstolo Paulo a pedir à Igreja para entregá-lo a satanás, a fim de que sua carne fosse destruída, mas seu espírito seja salvo no dia do Senhor Jesus (1Co.5:1-5).

E o outro espectro que petrifica o pseudocristão é o Salmo 69, que a minha versão das Escrituras Sagradas intitula de UM GRITO DE ANGÚSTIA, E MALDIÇÕES SOBRE OS ADVERSÁRIOS. Mas basta lermos este Salmo vácuos da malfadada preguiça de raciocinar, que o maldito abantesma logo escafede-se. Com efeito, dos versículos de 1 a 27 Davi discorre a respeito dos injustos, seus inimigos (v.18), seus adversários (v.19), e diz, no v.28: “Sejam riscados (os inimigos, os adversários) do livro da vida, e não sejam (os inimigos, os adversários) inscritos com os justos.” E, do versículo seguinte (29) até o último, o Salmista omite completamente os injustos, e fala tão somente dos justos. Isto nos mostra o quanto Davi tinha verdadeira ojeriza em dividir o mesmo espaço com os injustos; aliás, no Sl.139 ele fala claramente de seu sentimento com relação aos injustos.

Definitivamente, o livro supracitado não é o Livro da Vida do Cordeiro, porque Deus não inscreveria em seu Livro Eterno nomes de ímpios para riscá-los em seguida. No Livro da Vida do Cordeiro são inscritos SOMENTE os nomes dos salvos, lavados e remidos pelo sangue do Cordeiro!

Bem, falamos sobre o livro da vida natural, terreal, do qual Deus risca, no seu Kairós e na sua Soberana Vontade, os nomes nele arrolados.

Agora, vamos falar do LIVRO DA VIDA DO CORDEIRO, o Livro Espiritual, o Livro da Vida Eterna que Deus tem junto de si nos arcanos celestiais, do qual Ele não risca um só nome de seus remidos.

Ao mencioná-lo, o Profeta Daniel diz que nos últimos tempos, ao ensejo da distinta tribulação, o arcanjo Miguel se levantará a favor do povo de Deus, e o livrará (Dn.12:1). Percebe-se nitidamente que, bem ao contrário de se riscar o nome do salvo do Livro da Vida, o Senhor Deus o livra...

Certa vez, após retornarem de uma jornada de trabalho no Reino de Deus, os setenta discípulos, jubilosos, relataram ao Mestre: “Senhor, em teu Nome, até os demônios se nos submetem.”, ao que Jesus respondeu-lhes: “Contudo, não vos alegreis porque se vos submetem os espíritos; ALEGRAI-VOS ANTES POR ESTAREM OS VOSSOS NOMES ESCRITOS NOS CÉUS.” (Lc.10:17,20). Acaso faria sentido essa alegria, se o nome do salvo pudesse ser riscado do Livro da Vida do Cordeiro? Não seria, porventura, uma alegria efêmera, tipo rastilho de fogo de palha? Não seria uma tristeza camuflada de alegria? Não seria uma alegria convertida em tristeza, como a daquela mulher que, ao carregar no ventre, alegremente, o seu rebento, recebe o informe médico de que dará à luz um natimorto?

Ora, a alegria da inscrição nos céus, de forma relâmpago como querem os pseudocristãos, seria pior do que a própria tristeza, portanto Jesus seria incapaz de dá-la aos crentes nEle!

O Apóstolo Paulo menciona-o quando cita alguns cooperadores seus, “cujos nomes estão no Livro da Vida.” (Fl.4:3), e ele nunca falou de exclusão de nomes do Livro Bendito.

O autor da Epístola aos Hebreus, idem, visto que fala somente de “primogênitos inscritos nos céus.”(12:23), e jamais de anulação dessa gloriosa inscrição.

O Apóstolo João, em seu Livro do Apocalipse, diz que nos últimos dias irão para a idolatria, isto é, adorarão a besta e o dragão (dignitários eclesiásticos da igreja apóstata) “todos os que habitam sobre a terra, esses cujos nomes não estão escritono LIVRO DA VIDA DO CORDEIRO que foi morto desde a fundação do mundo.” (13:8)

O Cordeiro (Jesus Cristo) foi morto DESDE A FUNDAÇÃO DO MUNDO e, ao ensejo deste seu Sacrifício Salvífico e Vicário, Ele escreveu os nomes dos salvos “no Livro da Vida DESDE A FUNDAÇÃO DO MUNDO.” (id.17:8)

Ora, seria um tonitruante contrassenso se um nome registrado “desde a fundação do mundo”, no Livro da Vida do Cordeiro, “que foi morto desde a fundação do mundo”, pudesse sofrer quaisquer rasuras e apagabilidades. Por acaso Jesus Cristo rasuraria seu Livro Eterno? Permitiria Ele a alguém rasurá-lo?

Ambos, Sacrifício do Cordeiro e inscrição dos salvos no Livro da Vida foram realizados, simultaneamente, na Eternidade, justamente para provar a Eternidade de ambos!

Não! O nome do crente não pode ser riscado do Livro da Vida do Cordeiro, porque o Senhor Jesus Cristo garante-nos: “O que vencer será assim vestido de vestes brancas, E DE MANEIRA NENHUMA RISCAREI O SEU NOME DO LIVRO DA VIDA; antes confessarei o seu nome diante de meu Pai e diante dos seus anjos.” (id.3:5)

O QUE VENCER”, assegura o Senhor Jesus Cristo, “DE MANEIRA NENHUMA RISCAREI O SEU NOME DO LIVRO DA VIDA”.

E quem é o que vence o mundo?

Porque TODO O QUE É NASCIDO DE DEUS VENCE O MUNDO; e esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé. Quem é o que vence o mundo, senão aquele que crê que Jesus é o Filho de Deus?” (1Jo.5:4,5). “Mas em todas estas coisas SOMOS MAIS QUE VENCEDORES, por aquele que nos amou.” (Rm.8:37). E nós só vencemos o mundo porque cremos que Jesus é o Filho de Deus; e nEle (Jesus) somos mais que vencedores porquanto, na verdade, Ele (Jesus) é quem venceu o mundo por nós, conforme Ele disse: “Mas tende bom ânimo, EU VENCI O MUNDO.” (Jo.16:33). É sabido que “o mundo inteiro jaz no maligno.” (1Jo.5:19), porém, porque Jesus venceu o mundo e porquanto somos dEle, já temos igualmente vencido o mundo, porque maior é Cristo, que está em nós, do que aquele (o anticristo) que está no mundo: “Filhinhos, vós sois de Deus, e já os tendes vencido; porque maior é aquele que está em vós do que aquele que está no mundo.” (id.4:4). Aleluia!

Concludentemente, sabendo, pois, que uma coisa é o livro da vida das obras humanas, e outra coisa completamente diferente é o LIVRO DA VIDA DO CORDEIRO, do qual DE MANEIRA NENHUMA o Senhor Jesus Cristo riscará o nome do salvo, transcrevo esta revelação a respeito de ambos os livros: “E vi um grande trono branco e o que estava assentado sobre ele, de cuja presença fugiram a terra e o céu; e não foi achado lugar para eles. E vi os mortos, grandes e pequenos, em pé diante do trono; e abriram-se uns livros, E ABRIU-SE OUTRO LIVRO, QUE É O DA VIDA; e os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras. O mar entregou os mortos que nele havia; e a morte e o hades entregaram os mortos que neles havia; e foram julgados, cada um segundo as suas obras. E a morte e o hades foram lançados no lago de fogo. Esta é a segunda morte, o lago de fogo. E TODO AQUELE QUE NÃO FOI ACHADO INSCRITO NO LIVRO DA VIDA, foi lançado no lago de fogo.” (Ap.20:11-15). Amém!

2 comentários:

  1. Incrível com que facilidade alguns irmãos do ministério colocam e tiram o nome do povo do livro da vida.
    Alguns dão enfase dizendo :DEUS TIRA VOCÊ E COLOCA OUTRO EM SEU LUGAR...Simples assim. Haja borracha,óh céus rsrs.
    Lembrei do antigo hinário o hino 403.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é minha irmã,

      Lamentável que isso ocorra, mas infelizmente há muitos incautos "igrejólatras" em nosso meio, que imitam perfeitamente os fariseus do tempo de Jesus! Só lamento...

      Todavia, reconheço também que há o predominante fator do "analfaBÍblismo" em nossa cultura!

      Um grande abraço, com a paz de Deus

      Excluir