Google+ Followers

segunda-feira, 5 de maio de 2014

A origem do "pecado de morte": O NOVACIANISMO


Por Douglas Pereira da Silva

Recentemente, este simplório blogueiro realizou um breve estudo sobre as heresias e cismas que surgiram na era patrística, isto é, na IGREJA denominada de primitiva. 

Dentre diversas heresias constatadas na pesquisa - Ebionismo, Gnosticismo, Marcianismo, Maniqueísmo, Montanismo, Donatismo etc - uma despertou especial atenção: O NOVACIANISMO (251 - séc. VII)

Novaciano era um padre romano que, em 251 d.C., se opôs à eleição do Papa Cornélio, que se seguiu ao martírio do Papa Fabiano durante a perseguição, sob o argumento de que ele era muito frouxo em seus critérios para aceitar os cristãos arrependidos; vários membros rejeitaram Cornélio, separando-se e escolhendo Novaciano como bispo, criaram assim, uma outra rede de igrejas, com novas doutrinas e confissões de fé. 

Surge, então, o movimento chamado de NOVACIANISMO. O nome deste movimento alude - obviamente - àqueles que passaram a seguir suas doutrinas, práticas de fé e costumes.

Em sua confissão de fé, uma das heresias elaboradas por Novaciano, e que regiam a sua seita, era a seguinte: 

Nenhum perdão dos pecados graves depois do batismo: a idolatria e o adultério podem ser perdoados uma só vez, por ocasião do batismo; depois disso, tais pecados são contra o Espirito Santo e imperdoáveis pela "santa" igreja; os lapsos (pecadores) podem ficar perto da igreja como penitentes, mas nunca poderão reentrar nela novamente.

Surpreendentemente - para tristeza e decepção deste blogueiro - o ensinamento herético de Novaciano, do ano de 251, é atualmente praticado em pleno século XXI pela denominação deste autor, e demais igrejas que estão ligadas na mesma fé e doutrina, sob o nome de "pecado de morte" - o qual já refutamos no artigo "Afinal, o que é "pecado de morte"?"

Só resta orar e confiar em Deus, acreditando que um dia o Senhor - pela sua misericórdia e compaixão - movam o coração e a mente cauterizada de alguns - muitos na verdade - ministros, afim de erradicar essa ignorância da fé, e limpar as igrejas destes entulhos religiosos que nada têm haver com o evangelho da graça; pois tal conceito, serve apenas para chafurdar o evangelho pregado por Cristo e seus apóstolos, transformando a graça numa verdadeira desgraça, além de dizimar milhares de almas com esta satânica "doutrina".

SOLA MISERICÓRDIA

ATENÇÃO: Este artigo contém erro de informação! Todavia, o mesmo já foi corrigido no dia 21.set.2014 por este autor, através de uma nova dissertação que poderá ser conferida, clicando AQUI. Desde já, conto com a compreensão dos nobres leitores. A paz de Deus!

4 comentários:

  1. Ótimo artigo, porém triste em saber que esta heresia é antiga...
    Bem lembrado que é satanica, pois é uma doutrina que delimita o poder de Cristo.

    Amei o "Sola Misericórdia" hahaha

    Abracos meu brother!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é meu mano,

      Será que um dia veremos a CCB com outra postura em relação à pecados de natureza sexual? Resta-nos orar, e confiar em Deus!

      Minha preocupação HP, é com relação aos irmãos que pecaram (adultério e fornicação) e estão profundamente arrependidas, contritas, e não consegue mais retomar suas vidas, por conta deste ensino absurdo!

      Já pensou no sofrimento psicológico destes irmãos? Será que já não bastaria o sofrimento pela consequência de seus pecados, como a perca da família - por exemplo?

      Daí o ministério se coloca no lugar de Deus, fechando a porta do céu, e da minima esperança que a pessoa têm de ser perdoada por Deus...

      MISERICÓRDIA

      Abraços meu queridão!

      Excluir
  2. Mas nessa época a Bíblia já não estava escrita? E ela já não condenava os pecados de morte antes desse padre?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A questão não é essa, até porque, como esta MUITO bem explicado no artigo 'Afinal, o que é "pecado de morte"?' (sujerido neste próprio artigo), o " pecado de morte" NÃO EXISTE.
      Leia o artigo, com certeza vai esclarecer muito...

      Excluir