Google+ Followers

quinta-feira, 17 de abril de 2014

A letra mata, mas o Espirito vivifica

Por Douglas Pereira da Silva

O titulo da postagem alude a mais um velho jargão, aplicado indevidamente nos púlpitos das congregações, por alguns lideres e membros de ministério, que sem quaisquer base e contexto bíblico, empregam-na com o objetivo de verberar contra àqueles que prezam pelas Sagradas Escrituras, estudando-na de forma sistemática e diligente para aprender do Senhor a sua vontade registrada na Bíblia Sagrada, afim de manejar bem a Palavra da verdade não tendo do que se envergonhar. (II Timóteo 2.15)

Como certa vez afirmou Augustus Nicodemus Lopes:

"Quem usa "a letra mata mas o Espírito vivifica" para condenar os teólogos de gabinete esquece que foram alguns deles que ralaram atrás dos livros e gramáticas para que estes desavisados pudessem entender το γαρ γραμμα αποκτεννει, το δε πνευμα ζωοποιει".

É preciso ler o contexto de II Corintios 3.6, para entender esta expressão usada por Paulo.

No seu contexto, esta linha de II Coríntios 3.6 expressa um contraste importante entre a impropriedade do sistema do Velho Testamento e a suficiência de Cristo para nos salvar do pecado. A "letra" representa o "ministério da morte, gravado com letras em pedras" que foi dado aos israelitas através de Moisés (3.7,3). O “Espírito” representa a nova aliança de Cristo, revelada através do Espírito Santo e escrita em nossos corações (3.3,4,6,8).

A letra que mata era justamento isso: a antiga aliança, o código penal mosaico utilizado pela nação de Israel, durante o advento da Lei.

A passagem em questão nada têm haver com estudo Bíblico e Teologia.

Quem desta forma procede, ou seja, utilizando a expressão "a letra mata mas o espirito vivifica", a fim de justificar algum ensino doutrinário humano e antibíblico, ou para verberar contra os servos de Deus que anseiam por sua Palavra, estudando-a diligentemente e medita nela dia e noite (Josué 1.8), demostra total negligência para com as coisas de Deus e apresenta uma "bela" desculpa para não estudar as Escrituras e assim crescer na graça e no conhecimento de Deus. (II Pedro 3.18)

Muitos religiosos e "igrejólatras" de plantão que estão presos a dogmas e costumes doutrinários, de fato, matam verdadeiramente as pessoas, quando usam a palavra de Deus, para condenar àqueles que outrora caíram em pecado, privando-a de toda a esperança de perdão e salvação que Cristo concede, e que poderia conduzir o filho arrependido de volta à casa do Pai. 

Conforme pontuou muito bem o nobre irmão Alceu Figueiredo, quando argumentou que os tais que assim procedem, fazem:

"sem perceber que o Espírito com que ela foi escrita (a Bíblia Sagrada), apontava a necessidade de um Salvador, que é Cristo, o Senhor"

Portanto, estude a Bíblia, leia a Bíblia, medite na Bíblia, pois:


"Este livro afastará você do pecado, ou o pecado afastara você deste livro". (Dwight L. Moody, 1837 - 1899)

5 comentários:

  1. Oi meu mano!

    Gostei da frase do Augustus Nicodemus. haha

    Enfim, creio que cada um foi usado como um tijolinho... Inclusive os tradutores como também os historiadores que catalogaram os livros que usamos na Biblia.

    Um abraço e que a Paz do Altíssimo te cubra.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim HP,

      Penso como você! Cada cristão - por amar ao Senhor - deveria ter gosto em examinar cuidadosamente as Escrituras! Para tal, não é necessário frequentar um seminário, ou fazer curso regular de teologia!

      Quando comecei, estudava de forma autodidata, pela internet mesmo. Adquiri livros de hermenêutica, de teologia reformada, Bíblias de Estudo, blog do Irlandês, do Ricardo, do Helio, da Regina etc.

      Foi - e ainda é - muito proveitoso meu mano amado. Tenho muito gosto por estudar e debruçar exaustivamente nas Escrituras! Um dia - se Deus quiser - chego no seu nível de entendimento HP!

      Um efusivo abraço meu mano do coração!

      Excluir
  2. Pois é, eu já ouvi muitas vezes este argumento, principalmente para "justificar" o porque de não estudar a bíblia.
    Se este argumento fosse válido, porque então, Deus deicharia a bíblia para nós, já que "a letra mata"?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nem me fale Rene [risos],

      Esse jargão virou clichê meu irmão; tal justificativa para não estudar as Escrituras não cola mais!

      Afinal, como você mesmo disse coerentemente: "Se este argumento fosse válido, por que então, Deus deixaria a bíblia para nós, já que "a letra mata"?"

      É o tipo de pergunta que as vezes eu faço também [kkkkkk]

      Oremos Rene, para que haja um avivamento Bíblico em nosso meio, e o "analfa-Biblismo" seja erradicado na CCB.

      Um grande abraço querido!

      Excluir
  3. Olá irmão Douglas,

    Sempre leio os textos do seu blog, os quais tem me edificado bastante, raramente comento, por ser mais reservado, todavia, dessa vez como não comentar um tema tão recorrente em nosso meio!?

    Pois eh irmão, esse é um trecho que muitos enchem a boca ao falar, mas não compreendem o contexto no qual Paulo falou, em seu artigo o irmão isso está muito bem explicado.

    Volte e meia discuto sobre isso com alguns irmãos, já ouvi várias coisas do tipo: "Irmão, a letra é morta, tem que buscar o pão quentinho", "Irmão, quanto mais estudar a Palavra, mais vai ser te cobrado", "Não estuda demais, se não vai começar a ficar louco...", Pois eh.. seria cômico se não fosse trágico.


    Oremos para que mais irmãos busquem com avidez examinar as Escrituras, assim como os de Beréia (At. 17:11) aos quais Paulo os qualificou como nobres cristãos, somente assim poderemos sair desse analfabetismo bíblico e compreender a Graça e não nos tornarmos alienados acreditando que a salvação se dará por cumprir uma séria de regrinhas religiosas.

    Irmão Douglas, desejo que Deus continue o abençoando com sabedoria.

    A Paz de Deus!

    ResponderExcluir