Google+ Followers

quarta-feira, 19 de março de 2014

Refutação Teológica do artigo: "Divorcio e novo casamento é o mesmo que adultério continuado"


Por Rafael Rabello

Como meu amado irmão Douglas pediu, vou apresentar um ponto de vista um pouco diferente do que foi apresentado até agora.

Gostaria de iniciar dizendo que independente da interpretação do texto de Mateus 19.9 (e os demais textos auxiliares) todos nós, Cristãos, devemos levar muito mais em consideração a opinião inicial de Cristo em relação ao divórcio e o seu ensinamento, do que a questão do divórcio em si. O Senhor Jesus explicita claramente sua opinião no início de sua fala de Mateus 19.8 – “por causa da dureza de coração de vocês. Mas não foi assim desde o princípio.” Ou seja, a “Minha” vontade inicial nunca foi esta, nunca passou pelo desejo do Senhor que o homem se separasse de sua esposa, que vivesse vida dupla, tripla, quádrupla. O Senhor criou uma ajudadora idônea ao homem e lhe deu o Nome de mulher, pois esta foi tirada dele. O homem, desde Adão, é um ser incompleto, desde que nasce, até o dia em que encontra sua esposa. Eles se tornam um, e ai o homem é completo. Este é o plano de Deus, este é o sonho do Senhor a todos os homens.  Esta deve ser a causa pela qual militamos, esta, o amor único e duradouro entre esposa e marido, a união indissolúvel feita por Deus, esta deve ser a labuta da igreja, independente de qualquer conclusão a respeito do divórcio, fato é que não é a VONTADE DE DEUS a separação dos homens e suas esposas.
Sendo assim, vamos agora analisar o texto, a fim de entender o que o texto fala. Vou começar com uma análise exegética do texto, onde pretendo definir exatamente o que Jesus fala, em seguida, vou fazer uma leitura hermenêutica, para maior entendimento do contexto e sentido falado no texto.
Leiamos o texto principal:

“7 Perguntaram eles: "Então, por que Moisés mandou dar uma certidão de divórcio à mulher e mandá-la embora? " 8 Jesus respondeu: "Moisés lhes permitiu divorciar-se de suas mulheres por causa da dureza de coração de vocês. Mas não foi assim desde o princípio. 9 Eu lhes digo que todo aquele que se divorciar de sua mulher, exceto por imoralidade sexual, e se casar com outra mulher, estará cometendo adultério". Mateus 19.7-9

Segue a tradução grega do verso 9

“lego̱ de ymin oti os an apolysi̱ ti̱n gynaika af̱tou ei mi̱ epi porneia kai gami̱si̱ alli̱n moichatai kai o apolelymeni̱n gami̱sas moichatai” (tradução textus receptus)

"Sas lego̱ de oti ostis cho̱risthi̱ ti̱n gynaika af̱tou ektos dia porneian kai nymfef̱thi̱ alli̱n, ginetai moichos: kai ostis nymfef̱thi̱ gynaika kecho̱rismeni̱n, ginetai moichos". (grego moderno)

1 – A questão de Porneia.
Toda a discussão do texto, parte da palavra grega Pornéia, uma vez que esta esteja claramente entendida, o restante da discussão fica mais “simples.” Ou seja, esta palavra é fundamental para entender o significado do texto.
Porneia pode ter muitos significados, alias, tem. De todas as bíblias traduzidas a partir do original, os autores deram a esta palavra uma série de possíveis traduções. (por isso, seria sábio não concluir que o texto só possa significar uma determinada coisa, sem antes analisar todas as traduções possíveis).
Existem algumas traduções propostas para a palavra Porneia (inclusive analisando as versões alemãs, japonesas, gregas modernas, inglesas e francesas dos referidos textos):
1 – Imoralidade Sexual; 2 – Infidelidade; 3 – Relações sexuais ilícitas; 4 – Adultério; 5 – Prostituição; 6 – Incastidade; 7 – Fornicação; 8 – Matrimonio Falso; 9 – Perversidade;
Em primeira análise podemos excluir alguns desses significados possíveis por questões simples. Adultério, em significado geral, indica traição de sua esposa (ainda que o significado amplo seja falsificação do original, mudança do combinado ou do definido, ou seja, qualquer tipo de mudança daquilo que foi estabelecido pode ser adultério). A questão excludente aqui é de contexto. Na época em que o texto foi escrito, a sobreposição de leis e culturas, fazia com que vários casamentos, apesar de validos na esfera tribal, não eram validos em Roma, ou vice versa, em alguns casos, o casamento era invalido legalmente em qualquer esfera, porem, na vila onde viviam eram aceitos como casados, Ou seja, se esta fosse a lei, qualquer um que tivesse um mínimo de confusão sobre a legalidade de seu casamento, teria artifício legal para a separação. O mesmo serve para matrimonio falso. Este ultimo inclusive é encontrado em bíblias católicas, que foram comprovadamente manipuladas a fim de defender os dogmas da igreja da época.
Em seguida podemos excluir prostituição. A palavra prostituição significa “Vender o corpo em troca de dinheiro, bens ou favores” 
Oferecer serviços sexuais com o objetivo de obter lucro.”
Sendo assim, somente o esposo ou esposa que procurasse sexo em troca de lucro poderia se separar, caso o marido conseguisse uma amante, sua esposa não poderia se separar dele e ele não seria adultero. O significado pode ser mais abrangente, porém , não se consolida como tradução viável.
Perversidade não deve ser excluído, apesar de que seu significado deva ser muito bem esmiuçado para que faça sentido na tradução da palavra porneia. Alem disso, esta tradução só é proposta em uma bíblia francesa. Portanto não vamos utiliza-la.
As outras cinco traduções mais recorrentes são harmoniosas e indicam a mesma coisa. Incastidade, infidelidade, fornicação, relações sexuais ilícitas e imoralidade sexual, tem suas traduções próprias porém, que se reúnem em torno de um único significado, o de IMORALIDADE  SEXUAL.
INCASTIDADE é o oposto de castidade, que significa: Abstenção de vida sexual ilegítima ou promíscua; puro, cândido, inocente, sem mistura ou mescla; reserva; recatado; pudico; mantém à distância de impurezas ou impudicícias;
INFIDELIDADE é o oposto de fidelidade, que significa: “que guarda fidelidade, Constante, Verídico, exato, Seguro, Probo, honrado, Que não falha.
RELAÇÕES SEXUAIS ILÍCITAS Ilícito, é aquilo que é contrario a lei, a moral e/ou a consciência.  Qualquer relação da ordem sexual, que atente contra qualquer um ou contra os três itens (lei, moral ou consciência) é considerado ilícito.
IMORALIDADE SEXUAL. Oposto de Moral, que significa: Que procede com justiça, correto, honesto, decente, integro, justo. Ou seja, imoralidade sexual é um ato sexual injusto, incorreto, desonesto, indecente ou que não seja integro.
FORNICAÇÃO
Fornicação é a palavra que mais gera polemica a respeito da tradução de Porneia.  Fornicar vem de fornicare, que por sua vez vem de fornico. Fornico era o arco de construções residenciais romanas de determinavam o fim da propriedade privada. Esta palavra é usada para conotação sexual pois mulheres de Roma, de onde origina-se esta palavra, eram submissas legalmente, ou seja, sempre pertenciam a um homem, seja seu marido, seu irmão, seu sogro, cunhado, enfim, algum homem deveria ter posse sobre ela e elas não podiam deixar os limites de sua propriedade desacompanhadas, por isso, muitas das mulheres que se expunham, que procuravam sexo, mulheres que buscavam trair seus cônjuges, inclusive as prostitutas (não as profissionais, mas as levadas a isso devido dificuldades financeiras, maridos em guerra, etc.) se expunham debaixo do fornico, que era o limite de onde a mesma podia ir, e assim, os homens passando pelas ruas podiam observa-las e procura-las e ai então, “fornicar”.
Fornicação portanto, indica qualquer ato libidinoso de origem promiscua, de origem não casta, indica infidelidade, prostituição, comportamento lascivo, impuro, ato que ofenda a moral sexual, seja ele pré ou pós matrimonio. Nosso uso atual da palavra fornicação indica isso. Mesmo para pessoas solteiras, alguns atos são considerados fornicação. Para casados, atos imorais, vez ou outra são considerados fornicação.
Veja um exemplo rápido, Efésios 5.3, quando vai exortar a respeito da santidade, indica exemplos de ações que não condizem com a conduta santa. A fornicação, a impureza e a avareza. Ele indica a aspecto sexual, aspecto espiritual e o aspecto financeiro da vida do homem. Não está exortando somente os solteiros, está exortando a comunidade sobre aspectos importantes de suas vidas, comunidade esta que normalmente era composta por casados.
Porém, fornicação tem sido amplamente usada para denotar ato sexual antes do casamento, por quem defende que a separação de Mateus 19 é somente nos casos onde existe exposição sexual anterior ao casamento, mas vemos que pelo significado amplo, dificilmente isso se sustenta.
É importante lembrar que é culturalmente comum, mesmo antigamente a existência de acordos pré-nupciais. Nestes acordos, definica-se por exemplo, que no caso da esposa ser infértil, não virgem, ou possuir algum tipo de doença, o casamento poderia ser anulado. Também estes acordos eram feitos entre as famílias e não entre os noivos (v. Gn 24), que dificilmente se conheciam (e devido a dificuldade de casar suas filhas, elas dificilmente tinham intimidade com alguém e mais raramente ainda, saiam desacompanhadas de um homem). Crimes contra a honra de uma mulher eram gravíssimos (vide Gn 34). Não faria sentido Moisés criar um mecanismo de separação em uma situação de fornicação, uma vez que já existia o acordo para proteger as partes, era raríssimo de acontecer e mais do que tudo, o dispositivo era para Maridos se separarem de suas ESPOSAS e não cancelar noivados ou casamentos não consumados.

Entendido o significado de Porneia, imoralidade sexual (é o mais abrangente dos 5 significados que mais se repetem e fazem sentido) o texto pode ser analisado tranquilamente.

“Eu lhes digo que todo aquele que se divorciar de sua mulher, exceto por imoralidade sexual, e se casar com outra mulher, estará cometendo adultério". 19.9
Veja que o texto informa claramente que aquele que se divorciar de sua esposa e se casar novamente comete adultério.
Porém
O texto inclui um mecanismo excludente, ou seja, em um único caso especial , esta segunda parte do texto deixa de ser aplicada. “exceto por imoralidade sexual” indica que se for neste quesito, “imoralidade sexual“ aquele que “se divorciar de sua mulher” não é adultero, tanto se casar-se de novo, como se se mantiver solteiro.
O texto sendo analisado desta maneira, mostra claramente que sim, existe uma situação na qual o divórcio é aceito, na imoralidade sexual, ou seja, na destruição e no desprezo da santidade do matrimonio. E que este que é o alvo da imoralidade, ou seja, a vitima, deixa de ter obrigações matrimoniais, e pode sim, buscar um novo casamento sem cometer pecado.
O segundo porém, o causador do pecado, este, não tem alternativa bíblica para uma vida matrimonial. Ou se reconcilia com seu antigo cônjuge, ou permanece separado, qualquer casamento de sua parte é adultério.
O texto de Mateus 5.32 corrobora com este e o texto de 1Co7.10-15, claramente não se referencia a situação de imoralidade sexual, antes, fala claramente a respeito de divórcios não justificados, do qual o próprio Jesus diz que se divorciarem e se casarem de novo cometem adultério, porém só tem 2 alternativas (apresentadas por Paulo) permaneçam solteiros, OU reconciliem-se, porque de outra forma, pecam.
Existem mais alguns argumentos, a respeito de linhas de pensamento através do tempo, de posições teológicas antigas, inclusive do contexto dessa pergunta, que foi feita em meio a uma discussão de duas linhas rabínicas distintas, enfim, o texto é rico e a história também, existem vários temas que podem ser abordados para aprofundar o assunto, mas em uma análise inicial é o suficiente para produzir material para os irmãos juntarem com o primeiro texto, e terem um conjunto muito mais rico de argumentos e aprofundar de maneira sóbria e mais imparcial possível na discussão.
Não objetivamos concluir nada, somente apresentar linhas de pensamento e argumentos para que os nossos irmãos bereanos possam, a luz da bíblia e sob a iluminação e direção do Espírito Santo de Deus, concluir aquilo que lhe parecer justo e bom.
Que o Senhor nos abençoe na jornada em busca da verdade, da vontade de Deus e da Santidade.
Minha oração é que os irmãos sejam abençoados e agraciados com o aumento da fé, da certeza e da disposição de viver e levar o evangelho da Salvação que só há em Cristo Jesus.

Sobre o autor: Rafael Rabello é cristão batista, professor de Geografia, graduado em Comércio Exterior, teólogo amador, aluno do curso superior de Teologia da Faculdade Teológica Batista de Osasco e Adjacências (FATBOA) e colaborador adjunto do blog Teologando.

Um comentário:

  1. Mano Rafa,

    Obrigado por atender a minha solicitação, nos brindando com o seu ponto de vista; o texto está maravilhoso e edificante!

    Tenho plena certeza que o artigo será de grande valia para o nosso aprendizado, bem como de nossos irmãos leitores que nos prestigiam!

    Um grande abraço,
    no amor de Deus,
    Douglas

    ResponderExcluir